Reconhecendo que está trabalhando com um familiar legal, a série tem uma narração de ninguém menos que Quentin Tarantino. Para um show que nunca hesita em uma diversão animada do que está acontecendo (um pequeno Adam McKay sendo jogado na mistura), a voz de Tarantino adiciona um tom afiado, especialmente quando ele diz “filho da puta” para enfatizar o poder de alguns figura quem é colocado para fora. Tarantino se torna o espírito disso: este é um show sobre a violência na sala de reuniões; pode ser divertido de assistir até ficar redundante ou entorpecido.

Adaptado do livro de Mike Isaac e criado pelos contadores de histórias “Billions” Brian Koppelman, David Levien e Beth Shacter, o programa é informativo principalmente sobre a longa e escandalosa saga de um dos aplicativos de carona mais populares e um Vale do Silício movimento. Muito disso é reencenado aqui com um sentido focado em como esses muitos desenvolvimentos foram pessoais. É sobre o ego de Travis ser o próximo Zuck ou Bezos, ou esmagar John Zimmer do Lyft, ou mostrar a tal e tal quem é o verdadeiro chefe. É tudo sobre ganhar.

Isso pode ser atraente até certo ponto, e é emocionante ver esse carretel de destaque reencenado com tantos detalhes para eventos que o público pode ter esquecido. Mas a série pode perder um pouco de sua força ao criar apostas dramáticas maiores a partir do último jogo de poder de Travis, ou movimento sorrateiro que é ilegal. Há longas passagens em que a série não tem um soco no estômago, em parte porque só podemos ver o show de horrores. E há tantas cenas que acontecem em salas de conferência modernas, onde metáforas perspicazes sobre cordas de veludo, unicórnios, esportes, ou o que quer que seja, são jogadas por homens todos falando com a mesma voz rouca. É tudo parte do estilo e, às vezes, faz com que os giros criativos do roteiro em eventos reais pareçam mais piegas.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta