Já se passaram quase dois anos desde que a segunda temporada terminou, mas o pessoal por trás de “The Boys” se certificou de manter os fãs interessados ​​e atualizados com o marketing, lançando os falsos vídeos “Seven on 7” da Fox News uma vez por mês e apresentando muitos dos personagens e histórias desta temporada com antecedência. Butcher fez uma promessa para sua esposa moribunda Becca (Shantel VanSanten) no final da segunda temporada, dizendo a ela que ele protegeria seu filho Ryan (Cameron Crovetti), mesmo que o pai do menino não seja outro senão o inimigo mortal de Butcher, Homelander. A temporada mostra Butcher e seus meninos lutando para derrubar super-heróis corruptos como Homelander da maneira “certa”, trabalhando diretamente com Victoria Neuman (Claudia Doumit), diretora do Federal Bureau of Superhuman Affairs. Hughie (Jack Quaid) até conseguiu um emprego na FBSA, embora Butcher sinta que está dormindo com o inimigo ocasionalmente cooperando com Vought. Enquanto isso, Hughie e sua namorada Starlight (Erin Moriarty) estão tentando descobrir como manter Starlight segura quando o resto dos Sete, exceto a Rainha Maeve (Dominique McElligott), que quer Homelander morto não importa o quê.

Enquanto segue os muitos personagens de “The Boys”, a série aproveita todas as chances para espetar a cultura pop. Ninguém está seguro e a sátira é tão engraçada quanto má. A paródia comercial da Pepsi de A-Train (Jessie Usher) nos trailers é apenas um dos muitos riffs em nosso mundo que parecem quase também real. Podemos ver Voughtland, a Disney World deste mundo, e a nova seção “Brave Maeve” do parque é bem a tempo para nossa explosão anual do arco-íris do Mês do Orgulho das corporações, destacando exatamente como o capitalismo capitaliza os movimentos de justiça social. Mais do que tudo, “The Boys” aponta as falhas em como a mídia e o dinheiro se tornaram tão entrelaçados que tudo é propaganda, e os super nada mais são do que adereços para tornar os CEOs podres de ricos. Alguns dos materiais promocionais da 3ª temporada incluíam trailers e comerciais de filmes falsos, e novos são apimentados ao longo da temporada para nos lembrar exatamente em que tipo de mundo “The Boys” acontece. uma versão idealizada ou sombriamente fantástica, e é isso que torna seu comentário ainda mais nítido.

“The Boys” sempre foi uma série diretamente para adultos, e isso é especialmente verdade nesta temporada. Embora a série nunca tenha se esquivado de violência, sexo, nudez ou temas intensos, esta temporada surpreende os dois primeiros no que diz respeito ao seu intenso conteúdo adulto. Esta é a temporada que nos dá o infame “Herogasm” da NSFW, e é tudo o que você poderia esperar que fosse e muito mais. Poucas coisas me fizeram suspirar em choque como esta temporada de televisão, mas cada choque serviu para algum tipo de propósito. A terceira temporada de “The Boys” não desperdiça um único segundo de seu tempo na tela, e cada pequena cena tem uma razão distinta para estar lá, o que a torna um passeio infernal. Para um programa que pode ser incrivelmente juvenil em seu humor, é surpreendentemente maduro na forma como trata assuntos mais voláteis.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta