O resto de “Night of the End” essencialmente se desenrola como o episódio “The Beach” de “Avatar: The Last Airbender”, com os principais jogadores sentados ao redor de uma fogueira e apenas dizendo uns aos outros o que sentem. Alguns espectadores podem ficar frustrados com a falta de ação, mas este é um episódio cheio de acertos de contas que vem de muito tempo. Pode não haver grandes revelações, mas cheias de momentos catárticos da verdade.

Claro, fazer amigos não é fácil, especialmente depois de milhares de anos de matança. Por exemplo, apesar de tudo, Magath não consegue enxergar além de sua propaganda marleyana e continua a pensar nos Eldians como demônios. Como ele explica, se eles não tivessem tentado parar o exército Marleyano, Eren estaria morto e o Rumbling nunca teria começado. Ele ainda está, como diria o pai de Sasha, perdido na floresta do ódio, incapaz de abandonar o passado ou o negativo. Aos seus olhos, ao liberar o Rumbling, os Eldians provaram ao mundo que eles são os demônios que todos pensam, e que não há mais esperança, porque o mundo será arrasado pelos Titãs. Isso é totalmente oposto ao discurso de Hange de antes, já que Magath não pode ver além de sua situação atual e está apenas rolando e aceitando o pior.

Como Hange diz, Magath está confuso sobre por que esse grupo de “demônios” sacrificaria voluntariamente o futuro de sua casa para ajudar o próprio mundo que quer exterminá-los. Ele está tão preso na floresta que nem consegue imaginar alguém escapando dela e sendo tolerante.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta