Logo após um momento tão emocionalmente carregado e catártico, “Attack on Titan” muda de marcha e oferece um dos momentos mais puramente emocionantes e emocionantes em um tempo. Começa com e ninguém menos que Keith “Bystander” Shadis decide deixar o passado para trás e salvar os mesmos recrutas que o derrotaram na última temporada dos Titãs. Vemos os esforços coordenados de Jean – finalmente se tornando o líder que ele sempre deveria ser – reunindo os Scouts sobreviventes para revidar enquanto Shadis e os recrutas atraem os Titãs restantes para a grande torre no meio da cidade.

De repente, somos jogados em uma sequência direto da 1ª temporada, com o Studio MAPPA discando de volta no CG para fornecer uma imagem de rastreamento de equipamentos OG ODM reais balançando pelas ruas de Shiganshina, lutando contra Titãs 2D reais. É uma peça de nostalgia total, que pega algumas páginas de uma cena quase descartável do mangá e a transforma em um momento de triunfo puro e sem remorso. É a primeira vitória para os Scouts desde a recuperação de Trost, lembrando memórias de quando esse show era simplesmente sobre humanos lutando contra monstros gigantes, antes que a história se complicasse e a moral ficasse mais cinzenta. A partitura ainda tira um fôlego dos sons sombrios e dramáticos dos episódios anteriores para deixar Sawano cair mais uma vez, com “Barricades” acompanhando a luta e levando o hype a novos níveis.

No entanto, a sequência, por mais emocionante que tenha sido, também serviu para apontar o quanto as coisas mudaram para nossos personagens favoritos. Quando vemos Armin, Mikasa e Jean no topo da torre com os outros soldados e se jogando contra eles como fizeram durante a batalha de Trost, percebemos quantas pessoas perdemos ao longo dos anos. Também percebemos como os personagens cresceram e mudaram – tanto em termos de maturidade quanto como veteranos matadores de Titãs que nem hesitam ao ver um monstro. As mortes são muito, muito mais sangrentas desta vez também, jogando com a gravidade da situação – e então vemos Pixis.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta