A acusação de Whitehouse é Kate Woodcroft (Michelle Dockery). Uma advogada respeitada, conhecida por ganhar casos, implacável, determinada, Woodcroft também está dormindo com seu ex-mentor casado, a quem ela perseguiu pela primeira vez quando era sua aluna. Em várias voltas, a escrita em “Anatomia de um escândalo” introduz a ideia de dinâmicas sexuais tão complexas quanto o nó górdio, mas em vez de abordá-las com maturidade, empatia e inteligência, os escritores simplesmente cortam o nó, deixando-os pendurados em o vento. Dockery faz o possível para elevar o material, e a natureza estridente de sua dicção e linguagem corporal certamente merecem elogios. Há até uma contração muscular facial excelente, mais tarde na série, que é mais atraente do que o show inteiro. Mas até mesmo Dockery parece saber que o alto drama das trocas no tribunal é mais “Law & Order” de Dick Wolf do que “Silk” da BBC. Phoebe Nicholls também se destaca em sua breve, mas perfeita, aparição como Tuppence Whitehouse, a elegante mãe de James, criticando alegremente Olivia para Sophie e defendendo levemente seu filho das alegações enquanto se pergunta sobre suas excelentes habilidades de mentira.

Existem várias lacunas bizarras na estrutura do show. Enquanto Whitehouse é mostrado ensaiando com seu advogado, Woodcroft nunca é mostrado consultando Lytton; como o público saberá se, de acordo com a lei inglesa, o primeiro é permitido, mas o segundo não? Outro erro gritante na escrita do programa é o uso constante de americanismos. Os ingleses dizem “sobrenome”, não “sobrenome”; “foi ao cinema” ou “às fotos”, não “aos filmes”. Por curiosidade fui ler Anatomia de um escândalo, o romance, depois que terminei a série. Não é ruim: a escrita é mais amarga, mais pessoal, menos descuidada. A caracterização mais forte da página para a tela é a do primeiro-ministro Tom Sturridge, cujo dublê de TV tem uma notável semelhança com o ex-primeiro-ministro David Cameron (ele próprio não é estranho ao comportamento horrível em Oxford) e que, por alguma razão misteriosa, se recusa a se distanciar ele mesmo de James. Todos os outros foram, bem, americanizados.

Não vou revelar o porquê, mas os únicos membros da equipe que merecem elogios são o departamento de cabelo (eles sabem o porquê). Todos os episódios de “Anatomy of a Scandal” são dirigidos por SJ Clarkson, cujos créditos incluem um episódio de “Succession”. Eu gostaria de saber por que ela escolheu ângulos inclinados como substituto para contar histórias. A série é criada e escrita por Melissa James Gibson e David E. Kelley. O primeiro fez parte da equipe de redação e produção de “House of Cards” a partir da quarta temporada (quando tudo começou a desandar, e não me refiro apenas ao caos na vida do Underwood). Quanto a Kelley, após o desastroso “The Undoing” e essa falha de ignição, o verdadeiro escândalo em sua vida pode ser se ele conseguir descobrir como se recuperar para uma segunda temporada.

Temporada inteira selecionada para revisão.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta