A decisão do filme de ir mais amplo em vez de mais realista leva a uma série de noções cômicas genuinamente inspiradas. Malcolm McDowell, por exemplo, é absolutamente histérico como Reggie, cuja abordagem para o papel parece ter sido simplesmente reciclar a virada alegre e exagerada que ele fez em “Calígula”. Ele faz grandes proclamações para seus fãs no palco e se entrega a comportamentos ultrajantes nos bastidores, culminando no momento inesquecível quando apresenta um dos membros de sua banda (John Densmore do The Doors) a seu novo empresário, cuja identidade deixarei para vocês descobrir. Dito isso, o filme foi roubado por Lou Reed, um cara não necessariamente famoso por ter senso de humor (especialmente na época), mas que teve uma atuação hilária e vencedora como Auden, satirizando Dylan e sua própria seriedade reputação e, em seguida, encerrando tudo com uma bela interpretação de “Little Sister”. (Infelizmente, no que prova ser uma das falhas mais gritantes do filme, Arkush, a mando do produtor, de acordo com a faixa de comentário, insistiu em exibir os créditos finais sobrepostos à filmagem da apresentação de Reed.)

Quando “Get Crazy” chegou aos cinemas no verão de 1983, teve algumas críticas decentes, mas foi prejudicado por uma distribuição irregular e uma campanha publicitária que não explicava realmente o que o filme realmente era. Durante anos, ele ficou indisponível em DVD e Blu-ray por vários motivos técnicos, e aqueles que quiseram vê-lo foram forçados a recorrer a pirataria e aparições ocasionais no YouTube. Agora todos os problemas foram resolvidos e Kino Lorber deu a ele o tratamento Blu-ray com um novo master 2K e uma bela coleção de recursos especiais que são liderados por uma faixa de comentário informativo com Arkush, o historiador de cinema Daniel Kremer e “Get Crazy ”o superfã Eli Roth. “The After Party” é um documentário de longa-metragem com a maioria dos participantes sobreviventes contando a produção e recepção do filme. Há até um trio de videoclipes dirigidos por Arkush, incluindo um para a música-título de Sparks e duas interpretações de “Not Gonna Take it No More” de Lori Eastside e da Nada Band, uma de quando o filme foi lançado originalmente, e outra foto durante uma apresentação de reunião no início deste ano.

Claro, para os fãs do filme que há anos desejam aposentar suas cópias piratas, simplesmente ter uma cópia decente de “Get Crazy” é o maior bônus de todos. Ainda tão estranho e selvagem como era quando foi lançado, este filme está maduro para ser redescoberto e espero que este Blu-ray o ajude a encontrar o público que há muito merece. Aqueles que fazem de “Get Crazy” parte de sua próxima véspera de Ano Novo, descobrirão que é impossível sair do pior dos anos sem um sorriso genuíno no rosto.

Para solicitar sua cópia de “Get Crazy” no Kino Lober Blu-ray, Clique aqui.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta