O diretor Joshua Rofé (“Sasquatch”), felizmente, dá a Bob Ross o tratamento humano de que ele tanto precisa – não é bom para nós, ou para alguém como Bob Ross ou Mr. Rogers, para eles falarem como se fossem de alguma forma além de qualquer outra pessoa na multidão. Em vez disso, “Bob Ross: Happy Accidents, Betrayal & Greed” é um documentário relativamente esclarecedor que humaniza uma figura preguiçosamente considerada uma novidade, às vezes usando capítulos lascivos do legado de Ross não muito conhecidos. Certamente não é do conhecimento geral que um caso com um parceiro de negócios pode ter estado na mistura em um ponto, ou que Ross lutou até seu leito de morte para manter os direitos na família. Não, a vida é muito mais imperfeita do que o que se vê em suas pinturas, e até mesmo a busca por pinturas de paisagens para uma exposição de acesso público em Indiana pode ser envenenada pela ganância capitalista. Algumas pessoas lá fora verão a luz do sol cruzando as nuvens sobre um lago invernal, e só verão a cor verde.

Antes de entrar naquele drama, o documentário de Rofé (que tem tantos insights notáveis ​​quanto uma minissérie, tudo embalado em 95 minutos) observa a história de Ross, iluminando a intrincada consciência por trás de sua persona. Ele era um showman, que aprendeu como tornar sua paixão pelo ensino de pintura uma parte acessível para a televisão pública. Um dos muitos detalhes divertidos do médico está relacionado à origem de sua voz suave – um flerte conhecido, Ross calculou que seu público predominantemente feminino adotaria um tom mais suave que soava como se viesse da outra metade da cama. Ross era um cara sensível também, e é descrito por sua diretora Sally Schenk como “teimoso” (embora eu gostaria que ela tivesse compartilhado as piadas ásperas que ele fez no passado).

Ao descrever essa ascensão, Rofé toca em uma pessoa que foi tocada pelas pinturas e métodos de ensino de Ross – Annette Kowalski, que soube de Ross após sofrer uma perda traumática. Kowalski também tinha um senso de negócios para a cura baseada em Ross que ela experimentou e ajudou Ross a divulgar seu nome na TV e, em seguida, com produtos de fornecimento de pintura sob Bob Ross, Incorporated. Rofé inclui informações contundentes sobre o controle da família Kowalski enquanto mostra Ross se tornou, como uma manchete o chamou, “uma pequena celebridade com um grande número de seguidores”, e como seu show “The Joy of Painting” inspirou essa alegria em todo o mundo. O poder e o controle são muito mais evidentes nesta saga do que se possa imaginar, e o documentário mostra com eficiência como tudo ficou feio depois que ele morreu em 1995.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta