Todo esse ranger de dentes desmentia o fato de que havia pedras preciosas a serem encontradas na Croisette, especialmente se você cavasse ao redor. Leva “Alegria”, que jogou em Un Certain Regard e recebeu um Prêmio Especial do Júri (merecia ainda mais que isso). O primeiro filme paquistanês a passar no festival, a surpreendente estreia de Saim Sadiq é tão tonalmente preciso e rico em performance e narrativa que parecia quase criminoso como estava fora da consideração da maioria das pessoas.

A tomada de um homem em uma scooter, com o rosto enterrado na virilha de um gigante de pé, foi o que me atraiu primeiro para o filme. O piloto é Haider Rana, interpretado com grande sensibilidade e conflito interior por Ali Junejo. Vivendo com sua esposa de casamento arranjado Mumtaz (Rasti Farooq), seu pai (Salmaan Peerzada), irmão (Sohail Sameer) e cunhada (Sarwat Gilani), a família forma uma unidade social apertada onde os papéis de gênero são ligeiramente fluidos . Enquanto Mumtaz trabalha como maquiador para futuras noivas, o desempregado Haider lava a louça e cuida das crianças, para desgosto de seu irmão e do patriarca.

Quando um amigo diz que há um emprego disponível em um teatro local, Haider encontra Biba (Alina Khan), uma dançarina com uma comitiva de meninos que dançam atrás dela durante o intervalo. A princípio, o fato de ela ser transgênero parece não ser comentado, mas as considerações mais sutis da sociedade conservadora do Paquistão gradualmente vêm à tona.

A partir daqui, praticamente todos os preconceitos que você tem sobre o Paquistão e seu cinema são derrubados, e é difícil não acreditar que há um grau de bravura política e social em contar essa história que vai muito além de quase qualquer filme que passe no festival. Toda vez que eu temia que isso se tornasse uma narrativa sentimental ou previsível, as coisas eram alteradas, e a complexidade de tudo isso – relações sociais, dinâmica familiar, expectativas religiosas e culturais, modos de sexualidade – era tratada de maneiras sutis e profundas. É um filme verdadeiramente inesquecível e uma verdadeira descoberta do festival deste ano.

O mesmo poderia ser dito para “Rebelde,” O filme radical de Adil El Arbi e Bilall Fallah sobre radicalização. Mais conhecidos do público ocidental por dirigir “Bad Boys for Life”, Adil & Bilall criaram o que é certamente o primeiro musical do ISIS, amarrando as sensibilidades do hip-hop com uma história dramática, às vezes cheia de ação, de uma família presa na armadilha de promessas quebradas .

Kamal (Aboubakr Bensaihi) é um garoto punk que faz rap e motociclista do mundo duro Molenbeek comunidade em Bruxelas, Bélgica. Quando seus atos criminosos o alcançam, ele é forçado a fugir, encontrando uma espécie de refúgio na Síria na esperança de começar de novo. Imaginando que suas habilidades com a criação de vídeos podem ser mais úteis do que empunhar uma arma, ele logo se encontra, câmera na mão, capturando as atrocidades de seu mais novo grupo de camaradas.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta