Além de uma breve briga quase no final, quase não há um momento tenso entre esses dois protagonistas. E ao longo de uma história que se estende por décadas, a constante convivência é enlouquecedora de assistir. Ninguém tentou dar a esses personagens algum alcance emocional ou profundidade, qualquer textura além das barbas? O filme gasta duas horas e meia tentando colocá-los em foco e nunca o faz.

Uma coisa para a qual “As Oito Montanhas” é útil é me permitir girar para “Escarlate,” dirigido por Pietro Marcello, cujo “Martin Eden”, livremente adaptado do romance de Jack London, estrelou Marinelli no papel-título. “Scarlet” abriu o festival paralelo Quinzena dos Diretores e, como “Martin Eden”, é um filme difícil de definir em termos de estilo de filme; vai do drama austero ao conto de fadas ao musical. Marcello também continua sua técnica de entrelaçar sua narrativa ficcional com clipes de arquivo e imagens de outros filmes.

A trama centra-se na relação entre um veterano da Primeira Guerra Mundial, Raphaël (Raphaël Thiery), e sua filha, Juliette (interpretada por Juliette Jouan quando adulta), que ele conhece pela primeira vez ao voltar para casa, quando ela é uma bebê que tem sido cuidado por Madame Adeline (Noémie Lvovsky) desde a morte da esposa de Raphaël. Por alguma razão, as pessoas da cidade olham para Raphaël de soslaio, e ele e sua filha acabam se tornando párias, embora Raphaël, um artesão talentoso, e Juliette forneçam uma loja com brinquedos cada vez mais antiquados que Raphaël esculpe em madeira. Um piloto (Louis Garrel) que encontra Juliette cantando levanta a perspectiva de romance, com Juliette às vezes assumindo a liderança no namoro.

Como você reage a “Scarlet” depende em parte de sua aceitação das manobras formais fantasiosas de Marcello; as mudanças abruptas de tom e gênero exigem que ele sacrifique o fluxo da história. Mas o diretor, que começou como documentarista, está refinando ainda mais um estilo de filme de ficção tão estranho que está se tornando cativante.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta