Eventualmente, chega a noite de abertura do show (o que sugere “Barbarella” sem o enredo lúcido) onde tudo sai previsivelmente fora de controle antes do clímax em que Clay faz um retorno triunfante ao palco. Isso leva o público do filme a comemorar descontroladamente e o público do teatro a especular sobre as maquinações necessárias para convencer Bono a não apenas aparecer, mas também a contribuir com uma nova música do U2 para a trilha sonora.

Em essência, “Sing 2” é pouco mais do que um cruzamento entre um veículo menor de Mickey Rooney-Judy Garland e um daqueles anúncios do Spotify de fim de ano que as pessoas postam online para que outras pessoas saibam que ouviram Billie Eilish muito nos últimos 12 meses. Embora haja muitos subenredos disponíveis, há uma pequena e preciosa história dirigindo o empreendimento, e o escritor / diretor Garth Jennings não se importava com esses detalhes. O humor é pouco mais do que palhaçada barulhenta, as punhaladas no pathos são quase ofensivamente planejadas e, ao construir uma história em que o sucesso artístico é igualado a uma apresentação chamativa, ele estranhamente enfraquece sua própria mensagem sobre o poder singular da música a cada passo.

Em vez disso, Jennings está apenas interessado em colocar o máximo possível de músicas na mixagem, sem nenhum outro pensamento governando a seleção de músicas a não ser que sejam familiares. A abertura, por exemplo, pega a empolgação orgiástica de “Let’s Go Crazy” de Prince e a reduz a um desenho animado sem sentido, e esse é apenas o primeiro de vários crimes musicais cometidos aqui. O único que funciona é a versão de Halsey para “Could Have Been Me” do The Struts. Mas, uma vez que tocar rock é o trabalho diário de Halsey, isso não é particularmente surpreendente.

Por não conter sexo, violência ou palavrões e por estar repleto de adoráveis ​​animais antropomórficos, muitos pais sem dúvida levarão seus filhos para assistir a “Sing 2” sob a teoria de que não há nada de ruim para eles nisso. Na verdade, eu diria que a pura preguiça em exibição desse exercício sem alma na extensão da franquia é muito mais prejudicial. Os melhores filmes para a família capturam a imaginação dos espectadores mais jovens e os ensinam o poder da narrativa de maneiras que podem afetá-los por toda a vida, possivelmente inspirando-os a criar suas próprias histórias também. Em comparação, “Sing 2” não serve a nenhum outro propósito além de desperdiçar algumas horas. Se “Sing 2” lhes ensina alguma coisa, é planejar um futuro na negociação de licenciamento de música para filmes – com sorte, para filmes melhores do que este.

Agora em exibição nos cinemas.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta