“Segredos e mentiras… A vida não é sórdida e banal?”

Mariana Lawton tornou-se terrivelmente difícil de não gostar. Entre seu senso de moda glamouroso, tendências exageradas e capacidade de combinar com a sagacidade de Anne com facilidade, é um deleite absoluto sempre que Suranne Jones e Lydia Leonard compartilham a tela – mesmo que geralmente signifique más notícias para o casal central do programa. O quarto episódio começa exatamente de onde o último parou, com Anne e Mariana jantando (“Eu esperei por você por quase vinte anos – você realmente achou que eu não iria seguir em frente?” “Mas… ela! O que ela é mesmo?”). Esse argumento essencialmente os leva por toda a visita da Srta. Lister. Eles têm breves momentos de alívio – onde Mariana quase pode fingir que Anne não se casou com outra mulher enquanto Anne se engana pensando que seu relacionamento permanece inalterado – mas na maioria das vezes, nenhum deles pode se livrar de sua amargura. Até mesmo relembrar os velhos tempos tem um jeito de azedá-los: relembrar uma noite feliz de sexo em Scarborough lembra a Anne que Mariana sempre duvidou dela e se recusou a dar uma chance a ela – o que, por sua vez, lembra a Mariana que Anne nem experimentar para se encaixar quando estavam juntos. Além disso, ela sempre finge que teve uma escolha em se casar com Charles quando obviamente não teve.

Falando em Charles, um pedaço de Wonder Bread tão chato que esquecemos de prestar atenção nele, acontece que ele é absolutamente desprezível, o que explica por que Mariana tem sido tão miserável. Além de revelar que um caso de vários anos atrás o deixou com um filho bastardo que agora trabalha nos aposentos de seus servos, Mariana compartilha uma história angustiante sobre uma garota da vila que Charles vem assediando sexualmente. Nada disso está muito bem escondido, ou seja, as pessoas sabem e Mariana fica muito envergonhada. (O constrangimento dificilmente parece ser a grande lição aqui, mas tudo bem então.) Ter Anne por perto é um conforto porque significa que ela não está totalmente sozinha, mas também serve para tornar Mariana mais infeliz e amarga – porque Anne está apenas visitando, apenas para retornar lar de uma vida da qual Mariana não faz parte.

A divisão entre eles é em camadas: por mais que Mariana se ressente de Anne por seguir em frente e por mais que Anne continue a amá-la, nenhum deles pode negar que todas as coisas que os separam permanecem verdadeiras. Todos os velhos argumentos têm um jeito de levantar a cabeça – como a incapacidade de Anne de parecer elegante e a recusa de Mariana em acreditar nela. A outra questão é que Mariana não vê o casamento de Anne diferente do seu: Ann é a outra mulher, como ela tão habilmente resume. Ann é um casamento de conveniência, por conforto e dinheiro, não por amor, assim como Charles é para ela. Só que nós e Anne sabemos que isso não é verdade. Mariana pode saber disso também, mas se recusa a admitir – e ela só provou estar “certa” mais tarde no episódio, quando Anne faz o que ela tentou tanto não fazer – ela quebra seus votos e passa uma noite com Mariana.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta