Depois de estrear no Festival de Cinema de Cannes no ano passado, “Cow” finalmente estreia em cinemas selecionados e sob demanda nesta sexta-feira, 8 de abril. RogerEbert.com conversou com Arnold pelo Zoom sobre as origens do documentário, o papel que os humanos desempenham na natureza e a profunda sensação de ser visto por um filme.

Como você conheceu a Luma e decidiu fazer esse documentário sobre essa vaca específica?

Uma vez decidi que faríamos um filme sobre uma vaca, porque não tinha certeza de qual animal faríamos. No começo eu pensei em um porco. Pensei em uma galinha; galinha vive em fazendas industriais são cerca de 90 dias. Então eu pensei bem, isso seria uma filmagem curta, em termos de filmagem, e eles são galinhas muito cheias de personalidade. Então eu pensei que seria muito bom. Mas então pensei em vacas leiteiras. Parecia muito poderoso por causa de todo o aspecto feminino também. Achei que isso adicionava outra camada de algo realmente interessante. Uma vez que decidi isso, percebi que isso está conectado a tudo o que já fiz. Você acha que todas as suas decisões são novas e inconscientes, mas, na verdade, você está apenas fazendo as mesmas coisas. Decidimos pela vaca leiteira e depois tivemos que encontrar uma fazenda perto de Londres, porque tínhamos que ir e voltar muito. Havia apenas um certo número de fazendas que se encaixavam na conta.

Então encontramos a fazenda e perguntei a eles sobre suas vacas. Estávamos procurando uma vaca que estava grávida, porque eu queria começar com um parto. Eles mencionaram Luma, acho que bem cedo, e disseram que ela era uma vaca muito briguenta. Eu amei a ideia disso porque pensei que isso significava que ela definitivamente teria alguma personalidade. Achei uma situação interessante ter uma cara de vaca. Além disso, porque suas vidas são muito bem administradas, fiquei fascinado com todos os portões e as fechaduras das portas para este lado e os becos para aquele lado, e as cercas. Como suas vidas são totalmente controladas, a ideia de que havia uma vaca mal-humorada naquela situação gerenciada me atraiu. Ela tinha esta cabeça muito bonita, esta cabeça branca com um pequeno delineador. Para mim, ela era apenas uma vaca bonita. Sua cabeça parecia muito importante visualmente, então a veríamos facilmente. Então, tanto a aparência quanto a personalidade dela conseguiram o trabalho, basicamente.

Você mencionou como o filme é semelhante ao seu trabalho anterior. Quando eu estava assistindo e li nas notas da imprensa sobre o constante parto e ordenha de Luma, isso me fez pensar em seu curta-metragem “Milk”, e a dor que aquela mãe passou. Poderia expandir um pouco sobre as temáticas que você acha que estão em todos os seus filmes?

Isso é muito difícil, porque é bastante pessoal. Curiosamente, acho que quando faço qualquer coisa, às vezes não sei aonde estou chegando e então fica óbvio e você diz oh, ok. Então, de certa forma, o que eu disse a você agora sobre a vaca leiteira e outras coisas está definitivamente ligado ao “Leite”, eu acho que com certeza. Mães e bebês. Mas acho muito difícil falar sobre isso de uma forma mais ampla, na verdade. Você terá que fazer as conexões.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta