Cineastas em Foco: Sara Dosa no Fogo do Amor | Entrevistas

    0
    27

    A maioria de seus livros ainda está em francês, ou eles foram traduzidos?

    Há alguns que são traduzidos para o inglês, mas a maioria está em francês. Além disso, a maioria deles está esgotada. Então, estávamos tendo que encontrar uma livraria de usados ​​no leste da França que está vendendo uma cópia deste livro. Nós realmente os caçamos.

    Isso deve ter sido divertido. Adoro procurar livros raros. Quando você soube que queria que a narração reunisse tudo e como Miranda July se envolveu?

    Na verdade, sabíamos desde o início que queríamos um narrador, principalmente porque os arquivos eram incríveis, mas muito limitados. Todos os arquivos de 16 milímetros não tinham som, então sabíamos que precisávamos trazer um narrador, não apenas sua interioridade, mas também porque precisávamos de ajuda para o enredo e o contexto. Nós fomos realmente inspirados pelos filmes franceses da New Wave para fazer este filme, já que esse era um tipo de movimento estético acontecendo quando Katia e Maurice estavam amadurecendo. Há narradores tão divertidos e brincalhões em todo o movimento da Nova Onda Francesa.

    Desde o início, começamos a esculpir e escrever a narração, mas foi muito importante para nós descobrir para quem estávamos escrevendo. A princípio, pensamos que talvez queríamos um narrador francês. Mas quando estávamos fazendo um brainstorming, nosso produtor executivo, Greg Boustead, na verdade sugeriu Miranda, e Jocelyne, Erin e eu ficamos tipo, “Oh meu Deus, estivemos escrevendo para Miranda esse tempo todo sem perceber”. Ela tem sido uma grande influência artística na minha vida. Estávamos escrevendo com essa voz que chamamos de “curioso inexpressivo”, e eu sinto que Miranda simplesmente acerta isso. Ela tem uma maneira maravilhosamente inquisitiva de olhar, entender e mergulhar profundamente na estranha fragilidade do que significa ser humano. Eu sinto que Maurice e Katia são personagens tão ousados ​​e fortes, mas há tanta fragilidade lá também. Eles estão sempre vivendo à beira da vida e da morte. Miranda desenhou perfeitamente o que queríamos e elevou o filme exponencialmente com sua voz, seu jeito e sua arte.

    Alguma narração foi escrita por eles mesmos?

    A narração em si não era sua própria escrita. Há algumas falas de seus livros que tiramos e tinham uma voz de ator. Ficamos muito inspirados, no entanto, pela escrita deles para a narração. Nós realmente tentamos absorver o estilo deles. Eles escrevem muito hiperbolicamente. Digo isso com total amor. Ele se encaixa em suas personalidades bombásticas. Há uma energia real, especialmente na escrita de Katia. Então nós realmente tentamos canalizar isso na voz com a qual estávamos escrevendo, mesmo que a narração em si não fosse diretamente de seus livros. Mas há momentos distintos no filme, onde, nosso narrador dirá, aqui está um ator lendo o relato de Katia e então teremos Katia para suas palavras reais.

    Fonte: www.rogerebert.com

    Deixe uma resposta