Se você conhece sua história, o conceito de um vaqueiro negro não parecerá estrangeiro. Eles são parte de uma rica história americana que se estende por séculos e raramente é explorada no cinema ou na realidade. O “Concrete Cowboy” da Netflix explora uma iteração mais recente desta cultura, os “cowboys urbanos” Negros que povoaram a Filadélfia do Norte durante os últimos 100 anos. Embora eu admita que teria preferido um documentário sobre as pessoas que passaram esta tradição de geração em geração, o longa de ficção do diretor Ricky Staub serve como uma introdução que vale a pena. Como “Nomadland”, este filme apresenta membros reais da comunidade interpretando a si mesmos ao lado de grandes atores como Idris Elba, Jharrel Jerome, e a sempre bem-vinda Lorraine Toussaint.

Elba interpreta Harpa, uma das líderes da comunidade dos estábulos da rua Fletcher. Ele trabalha nos estábulos, ajuda a juventude da comunidade, e cuida dos cavalos, um dos quais ele mantém em sua casa. Harpa tem um filho, Cole (Caleb McLaughlin), que vive em Detroit. Quando o filme abre, os problemas de disciplina de Cole na escola e em casa se tornaram demais para sua mãe. Sem contar ao filho, ela decide deixá-lo na Filadélfia para passar o verão com a Harpa. Cole protesta com todas as suas forças, mas este é um negócio tão feito que sua mãe vai embora em meio a um protesto, deixando-o na rua em frente à casa de Harpa.

Cole tem uma história na Filadélfia, mesmo que muito pouco dela inclua seu pai. Mas os vizinhos de Harp o lembram, começando por Nessie (Toussaint), um membro austero, mas amoroso, da comunidade. Ela recebe a atenção devastada de Cole e o manda para a esquina para encontrar seu pai. A harpa está sentada ao redor de uma fogueira mais adequada para uma cidade – uma lata de lixo em chamas – trocando histórias com seu bando de irmãos e irmãs. A certa altura, aparece um policial tocado pelo Method Man, não para acabar com a festa, mas para adverti-los sobre o estado dos estábulos.

Tudo isso está além do bizarro para Cole; além do chip em seu ombro sobre ser forçado a passar tempo com um homem que mal conhece, os arranjos de vida deixam muito a desejar. Ele não só tem que lidar com armários vazios e uma geladeira cheia apenas de refrigerantes e cerveja, mas também há o já mencionado companheiro de quarto equino que ocupa a maior parte do espaço reservado para os hóspedes. A harpa dedica mais tempo e dinheiro para alimentar seus cavalos do que ele mesmo, portanto Cole terá que comer muito fora.

Philly oferece uma pausa: a reunião tardia entre Cole e seu primo mais velho, Smush (Jerome). Smush o leva a locais familiares, fuma maconha com ele e fala de um jogo de espadas inteiro que vale a pena. Ele também explica que quando a mãe de um cara o envia para passar o verão com seu pai, é um cenário irreversível. Straub e seu co-escritor, Dan Walser, usam o personagem de Jerome para diferenciar os caminhos que um jovem como Cole pode tomar, apoiando-se em uma linha de enredo e resultado muito familiares. No entanto, eles também nos surpreendem ao elaborar um retrato muitas vezes terno de um homem que uma vez esteve na mesma encruzilhada que nosso protagonista estará. Jerome, como de costume, oferece um desempenho excelente, matizado e complexo. Ele é tão bom em gerar empatia que, quando a brutalidade se abate sobre ele, o filme mal pode suportar para nos mostrar isso.

A harpa considera Smush uma má influência, portanto, para manter seus passeios noturnos com seu primo em segredo, Cole começa a trabalhar nos estábulos. “Coisas difíceis vêm antes das coisas boas”, diz Nessie, ecoando o que poderia ser um tema de “Concrete Cowboy”. Uma dessas coisas duras é empurrar esterco, do qual há um suprimento infinito. Nessas cenas encontramos Paris (Jamil Prattis), que serve como seu supervisor duro e Esha (Ivannah Mercedes), um cavaleiro/treinador impressionante que tem uma relação de flerte com Cole. Ambos são interpretados por membros reais da comunidade do Haras Fletcher Street, acrescentando notas de realismo a seus papéis fictícios. Prattis é tão memorável quanto os atores que o cercam.

Os westerns são todos sobre figuras maiores do que a vida com potencial para um status lendário. Sua moral é muitas vezes definida por noções claras do bem e do mal. Os melhores desfocam essa delimitação binária, e embora “Concrete Cowboy” não seja exatamente um western, é confortável crivando alguns dos conteúdos do gênero. Há um lindo nascer do sol, uma cena poderosa de domar cavalos e o espetáculo de ver Idris Elba em um cavalo. Embora o papel exija que Elba apresente uma forma mais humana do que de costume, completa com barriga de maconha, ele ainda tem poder estelar suficiente para lançar uma figura marcante enquanto está na sela. Para se sustentar, ele deu duas excelentes cenas dramáticas com McLaughlin, incluindo um monólogo impressionante sobre como Cole conseguiu seu nome.

“Concrete Cowboy” funde seus dois enredos com dificuldade mínima, usando a cidade de Filadélfia como a constante entre os dois. Nunca é difícil ver alguém montando a cavalo em um ambiente urbano, pois como um personagem aponta, os cavalos sempre estiveram na cidade. Agarrar-se a um determinado modo de vida, apesar das forças externas intrusivas que tentam destruí-lo, também faz parte da paisagem cultural de uma cidade. A justaposição do dia atual dos cowboys e seu passado histórico é aludida em um momento maravilhoso próximo ao final, onde a equipe da Fletcher Street vai para um majestoso passeio pela rua. Um jovem negro em um carro os observa com o espanto que John Ford proporcionou em seus filmes. Você pode sentir a sensação de orgulho e alegria neste momento, e saber com alguma certeza que foi por isso que os cineastas optaram por contar esta história.

Fonte: https://www.rogerebert.com/reviews/concrete-cowboy-movie-review-2021

Deixe uma resposta