Hall, Grau, a editora Sabine Hoffman e o compositor Devonté Hynes fazem um excelente trabalho ao lançar um feitiço hipnótico sobre o público. Este é um filme deliberadamente compassado com ambientes envolventes que parecem movimentos sinfônicos. Há material pesado aqui, mas “Passando” não mexe com seus pontos. Quando Brian, com razão, tenta alertar seus filhos sobre os problemas racistas que eles enfrentarão no mundo, Irene argumenta que eles deveriam ter um pouco de inocência na juventude. Entendemos ambos os argumentos, embora saibamos que um deles é muito, muito ingênuo. O filme inteiro existe neste estado perpétuo de um empurrão e puxão enganosamente suave. É um equilíbrio de tom magistral. E mesmo que antecipemos o final, ele vem com uma quantidade surpreendente de empatia e tristeza, duas coisas que sempre estiveram sutilmente presentes durante a execução.

“Passar” me colocou em um modo muito pensativo de alusão e coleta de padrões. Em uma trilha paralela, minha mente foi para outros recursos, de “Imitation of Life” de Douglas Sirk, meu terceiro filme favorito de todos os tempos, para “Watermelon Man”, que é uma história diretamente oposta. A única conexão que, como “Ma Rainey”, eu não consegui me livrar era, de todas as coisas, “BlacKkKlansman” de Spike Lee. O personagem de Adam Driver tem que se passar por um personagem branco interpretado por um John David Washington muito negro e, ao fazer isso, ele navega em um mundo anti-semita e odioso que o mataria se seu judaísmo fosse revelado. Ele tem muito mais facilidade do que Clare aqui, mas Lee nos permite navegar em seu tormento. Imaginei uma agonia semelhante se abater sobre Clare naqueles momentos em que não a vemos, quando ela está sozinha com seus demônios.

Meu humor pensativo acabou me levando aos meus velhos dias de ir à igreja, e Mateus 16:26, que diz “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou o que o homem dará em troca de sua alma? ” Isso meio que resume as coisas aqui, mas para ser honesto, me pergunto o quão pouca preocupação eu teria com a minha alma se eu conseguisse o que eu queria nesta vida. Eu não acho que poderia desistir de quem eu era, no entanto. Como eu disse, isso seria algum tipo de inferno vivo.

Em lançamento limitado aos cinemas hoje, antes de estrear na Netflix em 10 de novembro.

Nota: O editor do site Chaz Ebert é o produtor executivo deste filme. Ela não teve nenhuma influência sobre esta revisão.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta