É claro que eles acabam em um barco, mas o cenário parece menos um cadinho dramático no qual os personagens podem ser testados do que uma oficina de dramaturgia em que recebemos a chance não tão preciosa de assistir a um ato. isso não deveria ter sido colocado na frente de um público até que estivesse realmente pronto. O esquecimento egoísta fundamental de John nunca é explorado seriamente, muito mais a questão sem resposta no centro de tudo: o que Diana vê neste idiota? E por que ela parece tão surpresa se essa ruptura já dura tanto tempo? Não parece haver nenhuma centelha real entre os dois, certamente não o suficiente para explicar por que pessoas aparentemente incompatíveis estariam juntas por três décadas. E por alguma razão, o desempenho de Baker não combina com a pessoa que está sendo descrita por Jack e embelezada pelo roteiro de Coppola (que foi coescrito com Karen Leigh Hopkins). Baker é uma grande atriz, mas aparentemente não grande o suficiente para conter sua verve natural o suficiente para interpretar alguém assim.

O segmento final e mais longo ocorre em um almoço de mulheres que logo se revela ser um velório para uma mulher chamada Clare, cuja filha Caroline (Maya Kazan) reuniu algumas de suas amigas mais próximas em luto e lembrança. Uma rodada superficial de anedotas e comentários eventualmente dá lugar a lembranças mais profundas, e o roteiro de Coppola e Hopkins garante a distribuição de grandes momentos democraticamente entre um conjunto que inclui Rosanna Arquette, Valarie Pettiford, Cybill Shepherd, Polly Draper e Rita Wilson. Há revelações e confissões, histórias de aborto, infidelidade e gravidez secreta, e a chegada inesperada de um pacote com significado dramático no meio da refeição.

Mas mesmo que seja um prazer ver um elenco poderoso de atrizes de personagens na sexta ou sétima década de vida tendo a chance de fazer um monólogo ou dois, a abordagem repetitiva e rotativa para filmá-los (com uma câmera fixa cortando entre close-ups e fotos de grupo de pessoas dizendo suas falas) rapidamente se torna tedioso. A estranheza de alguns dos arranjos verbais não ajuda (a certa altura, Caroline começa uma linha dizendo ao grupo: “Como todos sabem, sou advogada”).

E algumas das escolhas de Coppola são simplesmente estranhas. Já é bastante ruim que a única mulher negra à mesa, Wendy, seja a única personagem de cor importante no filme; então Coppola precisa fazer com que Wendy diga a Caroline e ao resto do grupo que o que ela mais gosta em Clare é como ela costumava fazer perguntas constantes a Wendy sobre raça. Em que universo uma mulher negra como essa diria tal coisa sob essas condições exatas?

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta