O assassinato do rei Duncan é especialmente difícil. Washington e Gleeson interpretam isso como uma dança macabra, emoldurada com tanta firmeza que sentimos a intimidade de como um deve estar perto de esfaquear o outro. É quase sexual. Ambos os atores emitem um ar majestoso em suas outras cenas, embora a de Washington seja sustentada por aquela arrogância patenteada do Den-ZELLL. Ele até faz o tique vocal do Denzel, aquele “huh” pelo qual ele é famoso, em alguns de seus discursos, que me deixa tonta o suficiente para pular de alegria. Gleeson traz o Old Vic para sua breve apresentação; cada linha e cada momento parece que ele está se comunicando com os fantasmas dos atores famosos que enfeitaram aquele palco sagrado de Londres.

Os outros atores são bem escalados e trazem seus próprios dons para seus trabalhos. Stephen Root quase sai com a foto como Porter. Alex Hassel faz mais como Ross do que eu me lembrava. E tem uma ótima cena com um velho interpretado por um ator que não vou revelar. (Olhe bem de perto quando ele aparecer.) Quanto a McDormand, ela tem sua habitual reserva de aço, mas não acho que ela se desvie totalmente quando chegarmos àquela cena de “fora, maldito lugar”. Tive um problema semelhante com a cena de Washington no banquete, quando ele é assombrado por um espectro familiar. Ambos parecem confiantes demais para serem escravizados por uma loucura temporária.

Este “Macbeth” tem tanto a ver com humor quanto com versos. Os visuais reconhecem isso, puxando-nos para a ação como se estivéssemos vendo isso no palco. Mas em nenhum lugar a evocação do humor é mais proeminente do que na atuação reveladora de Kathryn Hunter como as Bruxas. Há algo de sobrenatural em sua aparência e voz, como se ela viesse de um lugar escuro que Macbeth deveria temer. Você terá dificuldade em esquecer o trabalho dela. Ela é fantástica aqui, e a descrição de Coen de seu caldeirão borbulhando é um destaque, assim como a estreita encenação da batalha final de Macbeth. Hawkins se mantém firme contra o gigante que é Denzel Washington, e seu manejo de espadas é rápido e desagradável.

Uma nota de cautela: os alunos do ensino médio que usam filmes em vez de ler a peça, como sempre, continuarão sendo reprovados nas aulas de inglês. Se o acaso quisesse que você passasse, então o acaso passaria por você sem que você se mexesse. Portanto, leiam a peça, crianças! Seu próprio Sr. Kilinski vai agradecer.

Em exibição em cinemas selecionados e disponível na Apple TV + em 14 de janeiro.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta