Crítica do filme Ambos os Lados da Lâmina (2022)

    0
    25

    Esta é a terceira colaboração de Denis com Binoche (“Let the Sunshine In” e “High Life”), e aqui ela se uniu novamente a Christine Angot (que co-escreveu “Let the Sunshine In”) para criar um roteiro a partir de O romance de 2018 de Angot Uma virada na vida. O romance de Angot é principalmente diálogo, o que se reflete no roteiro “falado”, onde a linguagem é finamente trabalhada e intricadamente observada, cravejada de indireção, evitação e mentira descarada (um para o outro e para eles mesmos). Quando a verdade vem à tona, ela explode bagunçada depois de ficar presa por tanto tempo em um recipiente. “Both Sides of the Blade” teve vários títulos em sua história de produção (ainda está listado como “Fire” no IMDb), mas a versão final veio de uma música de Tindersticks (que fez a trilha melancólica). O título original francês tem um certo brio: “Avec Amour et Acharnement”: “Com amor e implacabilidade”, mas quando Denis ouviu “Both Sides of the Blade” durante o processo de edição, ela achou mais apropriado para esta história de paixão nitidez e perigo.

    Visto nas sequências de abertura, flutuando juntos em um oceano azul, Sara (Juliette Binoche) e Jean (Vincent Lindon) não são apenas um casal feliz. Eles são um casal felizmente satisfeito e saciado. Muito bom para ser verdade? Denis não diminui a felicidade com prenúncios. Ela o apresenta direto. Ela apresenta tudo direitinho. Não há exposição, pois o ser humano não sai por aí expondo quem já conhece a história. Temos que juntar o que aconteceu.

    Sara é apresentadora de um programa de rádio, onde entrevista pessoas sérias sobre assuntos sérios, guerra, racismo, política global. Jean está desempregado, encontrando dificuldades para ultrapassar as barreiras existentes devido ao seu histórico criminal e prisão anterior (por um crime nunca divulgado). Ele faz as rondas das agências de emprego, enquanto recebe constantes telefonemas de sua mãe (Bulle Ogier). O filho de Jean de um casamento anterior, Marcus (Issa Perica), mora com a avó e as coisas não vão bem. Um dia depois de Sara e Jean voltarem das férias, ela vê um homem na rua e para de repente, chocada. Ele é François (Grégoire Colin), um velho amigo de Sara e Jean, e ex-namorada de Sara.

    Sara é completamente arruinada por este olhar. Abre um abismo em sua vida, um abismo que não parecia existir apenas um dia antes. Quem é François – e o que aconteceu entre eles – é revelado em uma conversa fascinante entre Sara e Jean, quando ela lhe conta que viu François na rua. Ela é abertamente casual sobre isso, mas Jean fica imediatamente alerta para a corrente crepitante. A partir daí, nada é igual.

    Este é o material do melodrama sirkiano, onde “os problemas de três pessoas pequenas” definitivamente equivalem a “um monte de feijão”. “Both Sides of the Blade” é um romance, um triângulo amoroso, um drama matrimonial, uma narrativa de infidelidade, todos terrenos familiares, mas a abordagem de Denis é dela. Os personagens existem em redomas herméticos – juntos e depois separadamente – tornando a conexão quase impossível. O filme está dentro daquela redoma, muitas vezes claustrofóbica de tirar o fôlego em seu foco. Denis, e seu diretor de fotografia Éric Gautier, não nos dê folga dessas pessoas. A câmera está bem nos rostos de Binoche e Lindon, absorvendo cada pausa, cada pequena mudança de humor ou sentimento, a câmera quase uma intrusão, um Grande Inquisidor.

    Fonte: www.rogerebert.com

    Deixe uma resposta