Há ecos do antecessor de uma década da França quando o filme nos lembra de como os medicamentos que salvam vidas não foram disponibilizados para pacientes com AIDS na África Subsaariana até os anos 2000, apesar do fato de que o HIV não era mais uma sentença de morte nos Estados Unidos. Unidos em 1996. O Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, que os espectadores conheceram em documentários anteriores sobre o Covid, revela durante os momentos finais do filme que ele atrasou sua própria vacinação até que as pessoas em seu país de origem da Etiópia tiveram acesso a eles. Ghebreyesus afirma categoricamente que a recusa das empresas em compartilhar as receitas e dados sobre suas vacinas é alimentada pela ganância. Se o filme tivesse feito disso seu assunto principal, poderia estar no mesmo nível das exposições cinematográficas essenciais sobre essa crise, a melhor das quais continua sendo “In the Same Breath” de Nanfu Wang. Do jeito que está, “Como Sobreviver a uma Pandemia” é inerentemente cativante considerando seu assunto, mas pode ter se beneficiado de mais tempo na sala de edição. É absolutamente estranho como um enorme urso de pelúcia sentado do outro lado da mesa do Dr. Peter Marks da FDA em seu escritório em quarentena recebe aproximadamente tanto tempo de tela quanto o Dr. Anthony Fauci.

Revista CiênciaO correspondente sênior de Jon Cohen serve como guia amável do filme, conduzindo entrevistas com especialistas como Fauci, que afirma ser o único homem na força-tarefa do presidente Trump que tem coragem de dizer ao seu chefe o que ele não quer ouvir. O desejo de Trump de apressar uma vacina antes de sua reeleição o faz ter paciência zero para os testes de segurança que Fauci diz serem cruciais para serem executados. É claro que o interesse de Trump em tornar as vacinas acessíveis é interrompido assim que ele perde as eleições de 2020, recusando-se a conceder e permitir que Biden monte sua própria equipe. Embora vejamos brevemente Cohen discutindo com um estereotipado apoiador de Trump orgulhosamente usando um chapéu “Fuck Fauci”, o filme é essencialmente pregando para o coro duplo, não dando tempo para realmente investigar por que tantas pessoas inteligentes – incluindo membros da minha própria família – se recusaram a ser vacinados, caindo na toca do coelho das teorias da conspiração QAnon. Quando outra anti-vacina insiste que o ex-presidente recusaria a vacina, ela parece ter esquecido como Trump adoeceu com Covid, e a vacina é provavelmente a razão pela qual ele ainda está vivo.

Alguns dos trechos mais fortes do filme centram-se no apaixonado reverendo Paul Abernathy, que tenta vacinar a relutante população negra de Pittsburgh, apesar de seu ceticismo inteiramente justificável. Em uma voz muito breve, Abernathy observa que não é apenas o monstruosamente antiético Tuskegee Syphilis Study, que levou à morte de 128 participantes negros, que é a razão para os cidadãos de cor terem essa hesitação. São também as inúmeras maneiras pelas quais o racismo institucional levou sua comunidade a ser negligenciada e mal atendida por gerações, conforme ilustrado recentemente pela ausência de locais próximos de testes de Covid. O reverendo destaca o co-desenvolvedor afro-americano da vacina de mRNA da Moderna, Dr. Kizzmekia Corbett, como uma forma de atrair o interesse da comunidade, e quando um homem local começa a fazer propaganda de QAnon, Abernathy fornece um contraponto com uma citação da Bíblia ordenando aqueles de fé para honrar seus médicos. Enquanto isso, os líderes mundiais emprestam a retórica intimidadora de Trump para minimizar a importância das vacinas, com o igualmente repreensível presidente do Brasil, Jai Bolsonaro, referindo-se àqueles que prestam atenção devido à pandemia como “maricas”.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta