“Dead & Beautiful” abre com uma extravagante reunião de filhos bilionários em Taiwan. Em um salão privado acima do resto da multidão plebéia, a equipe de cinco pessoas que se autodenomina “o Círculo” se reúne para um pouco de travessura e confusão. “Fizemos tudo”, disse Anastasia (Anna Marchenko). Desde então, o Círculo começou a tratar uns aos outros com experiências ridiculamente extravagantes e, agora, travessuras cada vez mais intensas, por causa do tédio. O rico coven de Anastasia, Bin-Ray (Philip Juan), Mason (Gijs Blom), Alexander (Yen Tsao) e Lulu (Aviis Zhong) caminham para a floresta para mais uma dessas experiências ostentosas quando algo dá errado. Eles acordam no dia seguinte com presas e sede de sangue. Os garotos ricos acabaram de se tornar vampiros?

O segundo ato do filme é facilmente o mais delicioso de assistir. O Círculo perde sua calma despreocupada e pressiona um ao outro para tentar atos vampíricos para provar que eles são o que pensam que são, um jogo de galinha que ninguém quer jogar. Mas então o senso de diversão do filme se desfaz no terceiro ato e retorna à crueldade anterior. Um personagem insiste que, como o próximo herdeiro da riqueza, o Círculo pode ser mais responsável do que seus pais, e isso não faz sentido depois de assistir esses jovens malvados entregando-se a seus piores instintos. “Dead & Beautiful” revela que eles são tão sem coração quanto eram quando começaram, mas lança uma linha de Ave Maria para redimi-los e desculpá-los pelo que acabou de acontecer. “Faremos melhor da próxima vez” parece um sentimento barato neste cenário. Eu preferia que não tivesse acontecido.

Há algo estranhamente vazio em “Dead & Beautiful” de Verbeek. É espelhado na cinematografia de Jasper Wolf, com casas novas reluzentes e clubes de aparência glamourosa que eventualmente dão lugar a cenas em arranha-céus inacabados e as fotos mais cinzentas e pouco sexy de um casal fazendo sexo na praia. É uma abordagem desigual que não funciona. A primeira e a segunda metades do filme vendem o fascínio do dinheiro e do poder, enquanto a terceira mostra suas quedas, mas vai longe demais, levando toda a diversão de “Dead & Beautiful” com ela. Parece uma repreensão contra alguém que se ressente desses garotos ricos imprudentes e de tudo o que eles fizeram, mesmo depois de os vermos tratando mal os outros dentro e fora do Círculo. O Círculo é plano – uma indiferença indiferente a qualquer pessoa, exceto a si mesmo, exceto quando esse egoísmo transborda em raiva e ação. Então eles lutam.

Existem algumas ideias e momentos divertidos em “Dead & Beautiful”, mas Verbeek parece querer evitar ofender alguém com a sugestão de que os ricos são vampiros – que é a premissa sobre a qual seu filme foi construído. Teria sido interessante ver onde esse conceito poderia ter ido se não sentisse a necessidade de se desculpar por sua existência.

On Shudder hoje.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta