Meu ponto, já que tenho um, é que muita coisa aconteceu nesta saga. Em reconhecimento a isso, “Downton Abbey: A New Era” começa com Kevin Doyle, que interpreta o papel do mordomo que virou professor Molesley, dirigindo-se diretamente ao público e dando-lhes um pouco de atualização. Isso parece meio bobo, porque é. Por outro lado, nas óperas espaciais, a recuperação geralmente é feita por meio de um rastreamento impresso e, para essa recapitulação, um rastreamento impresso pode muito bem atingir comprimentos proustianos. Qualquer maneira. Achei a coisa toda um pouco gratuita porque, embora o preâmbulo seja muito bom sobre quem é quem, os dois tópicos da trama que impulsionam este filme são relativamente não relacionados ao que aconteceu antes.

Tópico um: Violeta de Maggie Smith, a LITERAL Condessa Viúva da Abadia e mãe de seu conde, Robert (Hugh Bonneville) é informado de que ela recebeu em testamento uma vila inteira no sul da França por um velho conhecido. Muito velhos — eles se viram pela última vez na década de 1860, e agora é por volta de 1928. Grande parte da família é convidada a conhecer o local e há uma certa apreensão de que os parentes do velho conhecido possam não querer abrir mão do baseado. Então Robert, a esposa americana Cora (Elizabeth McGovern), e o mordomo de Robert Carson (Jim Carter) embarcam para Nice ou por aí.

Eles estão felizes em viajar porque uma equipe de filmagem vai assumir a Abadia por um mês. Todos os membros da elite, e Carson, estremecem com a perspectiva de hospedar pessoas “kinema” vulgares, mas os servos estão por toda parte. A produção está pagando uma bela taxa, e como Lady Mary (Michelle Dockery), uma das filhas de Robert, que administra o lugar, aponta, o telhado pode precisar de conserto e o dinheiro está muito curto para mencionar. Assim, chegam os cineastas: o belo diretor Jack Barber (um jogo Hugh Dancy), o galante protagonista Guy (Dominic West) e a glamurosa e arrogante Myrna (Laura Haddock). Enquanto Guy fala em tons muito redondos e aromáticos, Myrna, apesar de sua atitude, tem uma boa buzina cockney. Você pode ver onde este tópico está indo.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta