O fascínio de Leah e o medo da tristeza de sua mãe a levam a inspecionar o medalhão que sua mãe carrega e a segurar os cachos de cabelo de dentro. Isso desencadeou a história, começando com Sarah crescendo ainda mais. “Martyrs Lane” equilibra esses dois elementos – a compreensão lenta de Leah e um senso crescente da dor secreta devastadora de sua mãe – para criar um filme de terror sentimental que se esforça por demonstrações emocionais devastadoras que se tornam evidentes a partir do forte desempenho em particular de Denise Gough (cuja o trabalho elétrico é quase enganado pelo POV limitado do filme e por uma trama ainda mais estreita). Para o bem e para o mal, “Martyrs Lane” está profundamente investido na inocência da compreensão de uma criança sobre a morte, junto com o horror de vê-la colocada em situações perigosas físicas ou sobrenaturais.

Há algo, ou alguém, sobre o qual a família não está falando, e o conto de fadas emocional de Ruth Platt rastreia a compreensão dessa garota sobre um tipo de trauma. Nesse caso, ela vem disfarçada de outra garota (Sienna Sayer), que aparece na janela do quarto de Leah em algumas noites, com asas de anjo anexadas. (Ela diz que são fantasias, mas que também está crescendo de verdade.) A menina anjo e Leah têm conversas estranhas, muitas vezes terminando com Leah sendo informada sobre onde encontrar um item misterioso que a ajudará a entender tudo o que está acontecendo . Platt interpreta os momentos com secura e confia na atuação de suas jovens estrelas, obtendo sucessos acertados e errados no processo. Thompson é forte em criar um senso crescente de estresse para seu personagem principal, como isso a torna tímida e faz com que cada cena gradual pareça que há ainda mais pressão em seus ombros minúsculos.

O filme tem um problema de atmosfera, no entanto, em que as cenas de busca, ou de Leah em estado de conservação, não ajudam o ritmo já lento do filme. O tom é intermitentemente agourento e, no entanto, a preocupação emocional não está lá enquanto vagamos de uma cena para a outra. “Martys Lane” então aumenta para algumas revelações consideráveis ​​que não valem a pena, apesar do peso emocional que envolve.

A abordagem de Platt com esta história é quase experimental, por contar muito com a intensidade e emoção de seus dois jovens atores. Alguns dos maiores momentos de terror do filme envolvem as duas garotas conversando, com Leah perturbada por um colega que parece ensanguentado, cheio de veias, sujo e igual a ela. O que é mais impressionante sobre este filme, e suas performances, é como eles são capazes de conceber certos temas e apresentá-los de uma forma que é mais sobre o diálogo do que a criança expressando-o. “Martyrs Lane” é governada pela dor, muitas vezes entorpecida e exagerada por ela, mas seus jovens substitutos nos dão a oportunidade única de ver seus temas apresentados sem concessões. Como é ver a morte pelos olhos de uma criança? As ambições imperfeitas de “Martyrs Lane” nos mostram mais de perto.

Agora jogando em Shudder.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta