Os fãs de Dirisu, que causou tanto impacto em “His House”, da Netflix, e Colman, que causa impacto em tudo o que ela faz, também se sentirão desapontados. Ambos estão confinados a pequenos papéis coadjuvantes com alcance estreito: ambos são figuras trágicas, lá para colocar o “amargo” no conto agridoce de Jane. Colman, uma especialista em interpretar figuras maternas reprimidas da classe alta graças ao seu papel como a rainha Elizabeth II em “The Crown”, pode apertar a boca com lágrimas nos olhos com o melhor deles. Mas enquanto o sofrimento de sua personagem é solidário, não tem nada a ver com a emocionante complexidade emocional de sua atuação em “A Filha Perdida”.

E assim, em meio aos olhares de mil jardas e mãos acariciando livros elegantemente encadernados, duas coisas se destacam: nudez frontal estendida de Young e O’Connor – também conhecido como Príncipe Charles em “The Crown” – e a ambiciosa estrutura não linear do filme. Para crédito da diretora Eva Husson, a história nunca é difícil de seguir. E “Mothering Sunday” é montado de tal forma que o significado de certas palavras e objetos se revela naturalmente ao longo do tempo, como formações rochosas reveladas pela vazante da maré.

A abordagem caleidoscópica de Husson também dá a Jane uma vida interior rica e palpável. Sem precisar dizer essas coisas diretamente, o filme transmite os sentimentos conflitantes de Jane sobre seus anos como empregada doméstica e como a leitura se tornou uma saída temporária (perder-se em uma boa história de aventura) e permanente (deixar seu emprego com os Nivens). trabalhar numa livraria). Combinado com uma paleta de cores vivas e close-ups poéticos, a direção cumpre o que se propõe a fazer: evocar as memórias ficcionais de Jane tão vividamente como se fossem do próprio espectador.

Mas a história – por mais dura que seja dizer isso sobre um filme onde muitos jovens estão mortos e muitos mais ainda estão para morrer – de alguma forma consegue ser pesado e inconsequente. Tanto Colman quanto O’Connor chegam a “Mothering Sunday” a partir de uma exploração mais longa e profunda das consequências familiares dos modos britânicos rígidos. E embora o filme atinja uma variedade de notas emocionais enquanto voa através do tempo e do espaço, os eventos ligados a essas sensações muitas vezes revertem para uma tragédia de uma nota. Em um nível intuitivo e sensual, “Mothering Sunday” é inebriante. Como uma história com enredo e personagens, não é nada que não tenhamos visto antes.

Agora em exibição em alguns cinemas.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta