Repetidamente, Dumont nos lembra o quão pouco ele pensa na França. Seu principal pecado não é ser muito boa em seu trabalho, embora isso também a torne um alvo óbvio para nosso desprezo. O que realmente torna a França uma típica mártir de Dumont é que ela não tem ideia do que realmente torna o trabalho dela – e o ponto de vista anormalmente sem nuances e degradante que ele confirma – tão desprezível: que a mídia nos fez aceitar que é normal ver o mundo em termos simplistas e amigáveis. A França é um produto desse sistema e, no final das contas, nunca vai realmente mudar, porque, novamente, ela não tem ideia de como lidar com isso. Em vez disso, ela vai continuar rebaixando involuntariamente os entrevistados e insultando o público só porque ela nunca foi realmente afastada de seu círculo de influência, não importa quantas crises pessoais e públicas ameacem a França. Alan Partridge, ela não é.

Como de costume, Dumont é um diretor mais interessante do que o roteirista, especialmente quando ele bloqueia e segura uma cena por tempo suficiente para sugerir que há muito mais acontecendo do que seus ignóbeis personagens na tela poderiam dizer, muito menos estar cientes. Então, novamente: passar tanto tempo com a França, um personagem consistentemente vazio, costuma ser exaustivo.

A vida interior e as qualidades da França são apenas indicadas pelo desempenho tipicamente sensível de Seydoux. Porque toda vez que França quase vê um lado potencialmente desagradável de si mesma, ela é desviada por ativadores de cabeça de vento que a mantêm autoconsciente, mas inconsciente. Em uma cena posterior, Lou tenta confortar França dizendo a ela que ela é um “ícone” e que os ícones são “feitos de lama”. Esse é o ponto solipsístico que Dumont faz a França circular por toda a “França”, e com variação insignificante. Em teoria, esse tipo de auto-vitimização pode ser engraçado; nesta realidade, nem tanto.

Agora em exibição em cinemas selecionados.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta