Cruz interpreta Janis, um fotógrafo talentoso que vive em Madrid. Quase aos 40 anos, ela engravida de um caso que teve com Arturo (Israel Elejalde), um belo e charmoso arqueólogo forense. Ela deu à luz no mesmo dia que outra mãe solteira, Ana, de 17 anos (a impressionante Milena Smit), sua colega de quarto no hospital. Desde aquelas primeiras conversas bondosas, as duas mulheres se encontraram conectando-se de inúmeras maneiras inesperadas durante um dos momentos mais vulneráveis ​​e emocionantes de suas vidas. Eles compartilham toda a alegria e exaustão e muito mais. Para elaborar mais, estragar as muitas voltas e reviravoltas que Almodóvar pega em “Mães Paralelas”, mas basta dizer que são doozies.

Mas, embora os ossos de seu roteiro pareçam ensaboados, e a trilha sonora propulsora e pesada de seu compositor frequente, o brilhante Alberto Iglesias, às vezes até lembra um filme de terror, “Parallel Mothers” nunca chega loucamente ao acampamento. Cruz é radiante e terrena, sexy e engraçada como Janis, e por ser tão talentosa e totalmente no comprimento de onda de Almodóvar, ela mantém uma conexão emocional com o público em todos os altos e baixos extremos de sua personagem. Smit, por sua vez, brilha de uma forma discreta em um papel mais discreto e desfruta de uma conexão brilhante com Cruz em vários níveis. Ana não tem tanto entusiasmo em se tornar mãe quanto Janis, mas seus instintos maternais evoluem de maneira calorosa e comovente. “Tudo vai dar certo”, Janis diz a Ana cedo e frequentemente, e esse otimismo brilhante se estende a todos os elementos de sua vida, incluindo seu guarda-roupa e decoração. O tom vibrante de vermelho que vemos em todos os lugares – do cardigã e bolsa da câmera ao carrinho e Baby Bjorn – é uma marca registrada de Almodóvar, eles deveriam nomear um esmalte com o nome dele. (Vários dos colaboradores de longa data do diretor voltam para dar a “Mães Paralelas” seu visual chique e dramático, incluindo o designer de produção Antxón Gómez e o diretor de fotografia José Luis Alcaine.)

Mas não seria um filme de Almodóvar se um de seus atores favoritos, Rossy de Palma (“Mulheres à beira de um colapso nervoso”, “Amarre-me! Amarre-me!”), Não aparecesse. Aqui, ela interpreta a melhor amiga de Janis, Elena, entrando em seu quarto de hospital em um sobretudo xadrez Technicolor, oferecendo generosamente apoio e conselhos práticos. Do outro lado do espectro está a mãe de Ana, Teresa (Aitana Sánchez-Gijón), uma atriz narcisista que só se ilumina de verdade quando fala sobre como se saiu em um teste (embora sua evolução seja uma das muitas revelações do filme) .

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta