Tudo começa de maneira simples quando três policiais respondem à chamada da LifeAid. Todo o filme de Midell se passa no corredor do lado de fora do apartamento de Chamberlain e do próprio residente, e em grande parte se desenrola em tempo real. Um dos policiais, um homem chamado Rossi (Enrico Natale), parece sentir que eles deveriam apenas ouvir os apelos de Chamberlain para que eles saiam, mas ele é ridicularizado pelos outros dois policiais, Parks (Steve O’Connell) e Jackson (Ben Marten), que insistem em abrir a porta. Parks se convence de que Chamberlain não está abrindo a porta porque está escondendo algo, possivelmente até mesmo uma vítima de um sequestro, embora também pareça que esse é o tipo de cara que não gosta de ouvir um não e vai inventar um história para justificar a entrada ilegal.

Os policiais continuam batendo na porta, mesmo enquanto Chamberlain faz com que a LifeAid cancele a ligação. De qualquer forma, quase parece que Midell deixa os policiais escaparem um pouco mais facilmente. Quando alguém usa um epíteto racial, outros ficam chocados, mas um crédito final revela que isso não era incomum para esses policiais – pode-se até ouvir no áudio do evento – e a apresentação de Rossi como “O Bom Policial” parece um pouco fabricado.

Felizmente, Midell convenceu Frankie Faison a interpretar o papel-título, que já lhe rendeu uma indicação ao Gotham Award de Melhor Ator. Observe sua linguagem corporal – como ele fica fisicamente tenso sob pressão ou como respira fundo e faz uma pausa antes de tentar comunicar o que precisa. Faison falou claramente com pessoas com PTSD e outras condições; seu desempenho não parece uma mímica barata. É de partir o coração. Se qualquer coisa, eu queria que Midell confiasse mais nele, não recorrendo a sinais sonoros altos para transmitir seu trauma quando está bem ali nos olhos cheios de terror e na voz trêmula de Faison.

As manchetes e iniciativas recentes enfatizaram a frequência com que uma resposta policial não é a correta. Os policiais nem sempre são treinados para lidar com pessoas com doenças mentais e o hábito de recorrer à força em vez da razão pode levar à tragédia. A história de Kenneth Chamberlain é um exemplo perfeito disso, na medida em que os profissionais de saúde mental poderiam ter dito aos policiais respondentes que aumentar a pressão sobre alguém com PTSD profundo e possível transtorno bipolar só iria aterrorizá-lo. O filme de Midell começou muito pequeno – sua estréia no festival foi em 2019 – mas o aceno de Gotham e a queda de HBO Max devem levá-lo a um público mais amplo. Essa é uma história que merece ser ouvida.

Em VOD e HBO Max agora.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta