Enquanto isso, Leda faz amizade com a jovem de biquíni, cujo nome é Nina. Leda assume um papel maternal, mas há algo “estranho” em tudo isso. Seu interesse é muito intenso. Johnson interpreta Nina com uma mistura fascinante de prazer lânguido e desespero tenso. Nina está “atuando” e com bons motivos. Callie, sua cunhada de olhos afiados, vê tudo. Você não quer mexer com Callie.

No livro, Leda diz a certa altura: “O não dito diz mais do que o falado.” Embora isso seja sem dúvida verdade na maior parte, não é verdade quando você está lidando com um narrador não confiável como Leda, alguém tão consumido por si mesmo que cada interação estremece com ameaça, desejo, insegurança e todos os problemas não resolvidos que Leda projeta no outra pessoa. Porque ela está tão consumida consigo mesma, ela interpreta mal o “não dito” o tempo todo. Ela interpreta mal os gestos, a linguagem corporal, as pausas. Ela percebe ameaças onde pode muito bem não haver nenhuma. Ela parece interpretar mal a bondade de Lyle, o que traz respostas estranhas e selvagens nela. Ela interpreta mal o jovem que trabalha no clube de praia. Ela “não consegue entender”. Se Nina está “atuando”, Leda também está. Acabamos descobrindo o que Leda fez naquela época, mas isso ainda não consegue explicar totalmente suas escolhas – uma em particular – nessas férias fatídicas.

Os filmes às vezes são rejeitados pelo público porque os personagens não são “identificáveis”. Sim, alguns personagens refletem sua própria experiência, e isso é muito válido. Mas alguns dos maiores personagens da literatura nos mostram coisas que não queremos ver, mostram-nos as partes feias da humanidade, as partes sombrias e mesquinhas, as partes onde não fazemos o nosso melhor. Essas coisas são tão verdadeiras, senão mais verdadeiras, do que o que é considerado “relacionável”. “The Lost Daughter” aceita a feiura, dando-lhe espaço para se expressar, permitindo que ela exista sem cair de volta em território seguro.

Capturar todo esse subtexto “não dito” giratório foi o desafio de Gyllenhaal. Há muito caos emocional ricocheteando naquela praia, entre todas aquelas filhas, filhas perdidas e outras coisas. Gyllenhaal permite o caos. Ela não tenta acertar tudo. Ela não corre para obter clareza. Sua abordagem é turbulenta, subjetiva e tão próxima do ponto de vista de Leda que é quase claustrofóbica. Leda é vigilante e angustiada, às vezes impulsiva e desleixada, sempre mentindo e fingindo, e cada vez mais incapaz de esconder seu misterioso mundo interior, de outras pessoas e de si mesma. Colman’s é uma das melhores apresentações do ano.

Em exibição em cinemas selecionados e disponível na Netflix em 31 de dezembro.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta