Oito anos atrás, um avião foi sequestrado em Viena e os membros da estação da CIA lá – incluindo os agentes Henry Pelham (Chris Pine) e Celia Harrison (Thandiwe Newton) e os superiores Vick Wallinger (Laurence Fishburne) e Bill Compton (Jonathan Pryce) – buscou todas e quaisquer pistas possíveis para tentar descobrir uma maneira de desarmar a situação antes que o sangue fosse derramado. Isso falhou e todas as 120 pessoas a bordo, terroristas e reféns, foram mortas. Agora, novas informações vieram à tona sugerindo que havia uma toupeira no escritório que pode ter secretamente fornecido informações aos terroristas. Henry é encarregado de entrevistar os membros sobreviventes do grupo – um cometeu suicídio misteriosamente alguns meses após o incidente – para ver se consegue descobrir qual deles é o culpado.

O que leva ao reencontro em um restaurante chique em Carmel-by-the-Sea entre os ex-namorados. Eles não se viam desde que Celia decolou na sequência da tragédia, e depois das brincadeiras de recuperação necessárias e talvez uma pitada de flerte de baixo grau, a discussão deles se volta para oito anos antes. O filme então usa linhas do tempo paralelas, cortando entre a conversa atual entre Henry e Celia e flashbacks estendidos mostrando o que eles estavam fazendo durante a crise. Logo fica claro que pelo menos um deles sabe mais sobre o que aconteceu do que eles estão deixando transparecer, e que o banquete suntuoso que eles estão consumindo provavelmente será a última refeição para pelo menos um deles.

Como narrativas de espionagem, “All the Old Knives”, que é baseado no romance de Olen Steinhauer (que também escreveu o roteiro), está mais próximo das criações mais cerebrais e realistas de John le Carré do que as fantasias em quadrinhos de James Bond (sublinhou talvez um pouco sem rodeios em um ponto em que Henry tenta pedir um martini com vodka e é rejeitado). As primeiras cenas de configuração são razoavelmente intrigantes, mas em um certo ponto, as coisas simplesmente param de funcionar. Um problema-chave é que a estrutura de flashback nunca funciona e acaba interrompendo qualquer tensão dramática praticamente toda vez que vai e volta no tempo. Outra é que o grande mistério do centro prova não ser grande coisa – em um certo ponto, torna-se bastante óbvio qual é a resposta e quando tudo é finalmente revelado, a revelação e a explicação subsequente são um pouco decepcionantes.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta