Lentamente, porém, o passeio experimental escorregadio e visceral de Schoenbrun (mas às vezes monótono) introduz sustos na existência da jovem que são vários tons mais escuros do que qualquer outra coisa. Feira mundial promessas. Casey é solitária – tão solitária na verdade que nunca conseguimos conhecer seus amigos ou pais, embora um deles faça uma aparição apenas auditiva e grite com o garoto para ficar quieto depois do expediente. São apenas presenças inconsequentes em sua adolescência, que ela prefere navegar sozinha, em meio às águas escuras da internet. Se os arredores dela são alguma indicação – uma cidade gelada e pouco descrita, escassamente povoada de estradas vazias e shoppings sem alma – você dificilmente pode culpá-la por procurar excitação e um sentimento de pertencer a outro lugar. A esse respeito, Casey passa a maior parte do tempo em seu quarto no sótão, decorado com estrelas aconchegantes que brilham no escuro. Quando ela não consegue dormir, as luzes piscantes e as vozes suaves dos vídeos ASMR (resposta autônoma do meridiano sensorial) fazem companhia a ela. Em uma sequência silenciosamente comovente, um desses vídeos até ajuda a colocá-la para dormir, preenchendo as reconfortantes histórias de ninar de uma gentil figura paterna.

Em meio a luzes piscando, cores fluorescentes e os ângulos de câmera perturbadoramente perseguidores de Daniel Patrick Carbone (sempre que Casey é capturada de um ponto de vista diferente do monitor), Schoenbrun revela lentamente sua história única de amadurecimento com “World’s Fair”, uma que não acontece no mundo real, mas no universo online sem fundo que molda a identidade em constante mudança de Casey. Com ceticismo, podemos observar essas mudanças cada vez mais ameaçadoras em pequenas doses, através dos criativos vídeos caseiros que ela fornece ao site da Feira Mundial. Uma conta chamada JLB que pertence a um homem muito mais velho (Michael J. Rogers) rapidamente os percebe e faz amizade com Casey. O que se segue parece um relato arrepiante de aliciamento – “Estou preocupado com você”, afirma JLB, insistindo que quer proteger Casey. Mas quem exatamente é esse homem por trás de seu alarmante avatar em preto e branco que parece uma capa de álbum de death metal desenhada à mão? Ele é uma presença ameaçadora com uma agenda abusiva?

Em um movimento inesperado e bastante inteligente, Schoenbrun decide levantar a cortina sobre ele para nos mostrar um homem solitário morando em uma casa genérica de molduras brancas e banheiros de mármore que não poderiam ser mais comuns ou suburbanos. Um vazio semelhante permeia visivelmente sua vida. Talvez ele seja aquele tosador que temíamos que fosse; mas Schoenbrun nos dá motivos suficientes para pensar também, talvez não.

É frustrante que “World’s Fair” não feche o ciclo lá e se desvie de Casey às vezes por períodos indesejados – seja para nos mostrar o absurdo dos outros Feira mundial vídeos ou para passar mais tempo com JLB. Mas enquanto o filme consegue gerar apenas uma vaga sensação de inquietação no geral, a performance cativante de Cobb prende nosso olhar e atenção. Ela não é exatamente a adolescente desajeitada do cinema como Kayla de “Eight Grade”; mas sim, um camaleão enigmático com sua expressão de boneca, olhar pensativo e gritos internos que percebemos mais do que ouvimos. Através de Cobb, lançamos um olhar alarmante e atualizado sobre a vida de qualquer adolescente contemporâneo médio que cresce e estabelece uma voz principalmente online, lutando para fechar a lacuna entre o real e o virtual. É essa performance que eleva um filme que muitas vezes parece ser menos do que a soma de suas partes.

Em cartaz nos cinemas e disponível nas plataformas digitais em 22 de abril.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta