Hazel Doupe interpreta Charlotte (abreviada para “Char” por todos, um nome metafórico, se é que já houve um), uma adolescente intimidada e intimidada, vivendo em um conjunto habitacional fora de Dublin. Char é uma garota esbelta, com enormes olhos alertas e uma marca de nascença vermelha na bochecha direita, motivo de zombaria dos colegas, todos meninas. As meninas são assustadoras. Mas a família é ainda mais. Char vive com sua avó quase deficiente (Ingrid Craigie), que parece nunca sair de casa, e sua mãe depressiva Angela (Carolyn Bracken), que mal consegue sair da cama. Algo está muito errado nesta casa empoeirada e mofada, os segredos gritando mais alto do que qualquer idioma poderia.

O filme começa com um prólogo misterioso e aterrorizante. Um carrinho de bebê segurando um bebê gritando fica no meio de uma estrada escura. Por que esse bebê é deixado sozinho na rua? Uma mulher (Craigie) se aproxima e rola a carruagem para a floresta, onde ela remove o bebê da carruagem, a coloca na terra e acende um anel de fogo ao seu redor. O bebê chora, o calor tremeluzindo perto demais, carbonizando (entendeu?) o chão ao redor da criança. Nada disso é explicado até quase o final de “Você não é minha mãe”, e paira sobre o resto do filme.

Char é uma adolescente, mas ela é a responsável pela casa, repreendendo a mãe por não ter comida em casa, implorando para ela sair da cama e dar uma carona para a escola quando ela perde o ônibus. A escola não é melhor, embora uma professora gentil (Jade Jordan) se interesse por Char. Uma manhã, Angela desaparece, aparentemente desaparecendo no ar. Quando ela volta para casa alguns dias depois, ela está muito diferente. Ela às vezes é alegre, mas ela pode virar um centavo. Ela costuma ser bastante assustadora. Char ficou traumatizada por anos de negligência e anda na ponta dos pés pela casa, mantendo distância. A avó sabe mais do que diz. “You Are Not My Mother” tem algum enredo, mas é principalmente o retrato da claustrofobia dos segredos de família, principalmente para Char que não tem ideia do que está acontecendo, e aos poucos vai entendendo que todo mundo está escondendo algo dela, algo para fazer com ela. Toda a sua vida foi construída sobre invenções e meias verdades.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta