A base para a antologia é estabelecida pela animação gótica de tecido de Emma De Swaef e Marc James Roels, que anteriormente orquestrou o curta de colonização da mini-antologia “This Magnificent Cake!” Seu olho para cenários imponentes, detalhes intrincados e personagens com olhos e bocas minúsculos continua aqui, com um conto de queima lenta sobre uma família que sofre com uma barganha faustiana. O pai Raymond (Matthew Goode) faz um acordo com “um arquiteto de grande renome” que ele corre para a floresta chamado Mr. Van Schoonbeek (Barney Pilling), que lhes oferece uma nova mansão e móveis, de graça. O único problema, que eles estão cientes, pelo menos, é que eles devem desistir de sua casa atual. Raymond aproveita a oportunidade como meio de status, de ter a casa mais bonita da região e deixar os outros com inveja.

A família é rapidamente seduzida pelas amenidades extravagantes – a comida que aparece na mesa da sala de jantar, a eletricidade que fornece iluminação total. Mas a jovem filha Mabel (Mia Goth) tem mais apreensão, pois começa a testemunhar os aspectos mais estranhos de sua construção, como os trabalhadores zumbis, que trabalham na escuridão e de repente tiram a escada à noite. As coisas ficam ainda mais estranhas, e visualmente mais impressionantes, quando os pais são presenteados com roupas que se parecem muito com peças de um sofá ornamentado. É um curta efetivamente assustador, que intriga muito o que está se desenrolando nas sombras, prefaciando a casa como uma armadilha sem sentido.

“The House” não continua essa vibe mais de terror no resto da história, mas sim joga com pesadelos de desconforto. No segundo curta, de Niki Lindroth von Bahr, um desenvolvedor de ratos (Jarvis Cocker) está tentando preparar a casa para a exibição, consertando-a sala por sala. Apesar de sua atitude otimista e de suas melhores intenções, ele se mostra uma pessoa simples, que se depara com problemas enormes ao longo do caminho, como uma infestação de besouros de pele que se assemelha à desesperança de sua busca. Até a comida que ele pede para a exibição leva ao pedido errado, fazendo-o improvisar com cachorros-quentes e ramen. As coisas ficam especialmente estranhas quando dois personagens intimidadores expressam interesse, em ver o quarto e depois passar a noite. Eles o aplacam com as palavras repetidas que se tornam esquisitas cada vez que são rosnados: “Estamos extremamente interessados ​​na casa”. Este curta também abre espaço para um número musical grandioso e assustador.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta