6. UNIDOS 93

Assistir ao “United 93” é ser confrontado com a sombria e caótica realidade daquele dia de setembro de 2001. O filme é profundamente perturbador, e algumas pessoas podem ter que deixar o cinema. Mas teria sido muito mais perturbador se Greengrass tivesse feito isso de maneira convencional. Ele não explora, não tira conclusões, não aponta o dedo, evita “interesse humano” e “dramas pessoais” e simplesmente observa. O ponto de vista do filme me lembra os anjos em “Wings of Desire”. Eles vêem o que as pessoas fazem e ficam tristes, mas não podem intervir.

5. A VIDA DOS OUTROS

O filme é relevante hoje, pois nosso governo ignora habeas corpus, pratica tortura secreta e pede o direito de grampear e espionar seus cidadãos. Tais táticas não salvaram a Alemanha Oriental; destruíram-no, transformando-o num país em que os seus cidadãos mais leais já não podiam acreditar. Impulsionado pelo espectro da agressão externa, rebateu com a agressão interna, como uma espécie de antitoxina. Temendo que seus cidadãos fossem desleais, inspirou-os a ser. É verdade que seus inimigos eram reais. Mas o Ocidente nunca lançou a bomba, e a Alemanha Oriental e as outras repúblicas soviéticas implodiram depois de basicamente se bombardearem. “A Vida dos Outros” é um filme poderoso, mas tranquilo, construído de pensamentos ocultos e desejos secretos. Começa com Wiesler dando uma aula de teoria e prática de interrogatório; um detalhe arrepiante é que os suspeitos são forçados a sentar em suas mãos, para que a almofada da cadeira possa ser guardada para possível uso por cães de caça. Mostra como a Muralha finalmente caiu, não com um estrondo, mas por causa de sussurros.

4. OS PARTIDOS

É intrigante imaginar o que Scorsese viu no filme de Hong Kong que o inspirou a fazer o segundo remake de sua carreira (depois de “Cape Fear”). Acho que ele reconheceu instantaneamente que essa história, em um nível enterrado, trouxe dois lados de sua arte e psique em foco igual. Sabemos que ele também era fascinado por gângsteres. Ao fazer tantos filmes sobre eles, sobre o que viu e soube crescendo em Little Italy, sobre suas percepções sobre suas naturezas, ele se tornou, de certa forma, um informante. Muitas vezes pensei que muitos dos críticos e admiradores de Scorsese não percebem o quão profundamente a Igreja Católica pré-Vaticano II poderia se enterrar no subconsciente, ou de quantas maneiras Scorsese é um diretor católico. Este filme é como um exame de consciência, quando você fica acordado a noite toda tentando descobrir uma maneira de dizer ao padre: eu sei que fiz errado, mas, oh, padre, o que mais eu ia fazer?

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta