Assim como nos filmes de Michael Bay, você realmente sente o background do videoclipe de Adil & Bilall em “Rebel”, já que os dois incluem vários números musicais ao longo do filme. A mistura de tons pode ser chocante para alguns públicos, mas como no recente sucesso “RRR”, “Rebel” consegue fazer as pausas musicais se encaixarem perfeitamente com o resto da história, uma pausa que nos traz uma visão da mente de os personagens e suas motivações, como um número de rap cativante e visualmente impressionante, onde Kamal e seus amigos cantam sobre o preconceito e o racismo que enfrentam como negros na Bélgica. Os diretores disseram em entrevistas que queriam que o filme explorasse as nuances da cultura islâmica, muçulmana e árabe raramente presentes na tela grande, da arte à poesia e música. Além das músicas, o filme também inclui cartões de título em caligrafia árabe que comentam o que está acontecendo e lamentam que as coisas tenham chegado a isso.

Bensaihi tem um desempenho excelente como Kamal, equilibrando um sentimento de orgulho com vergonha incrível pelo que ele está vendo e terror absoluto por sua vida em todas as cenas, enquanto El Arbi injeta em Nassim vulnerabilidade e ingenuidade que ajudam a fazer o público simpatizar com ele mesmo quando seu história toma rumos cada vez mais sombrios. Como o thriller “Perfil”, uma grande parte de “Rebel” explora o recrutamento e a doutrinação, e a facilidade com que as pessoas são vítimas deles, independentemente de sua origem. A certa altura, um dos comandantes do Estado Islâmico diz a Kamal que eles têm soldados de todos os continentes, da Ásia e da Europa às Américas, o que é suficiente para dar calafrios na espinha.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta