“From” abre com uma sequência marcante que dá o tom. Em uma rua que parece atravessar uma daquelas cidades fantasmas mal povoadas em que você se perde enquanto tenta encontrar gasolina em uma viagem, Boyd Stevens (o grande Harold Perrineau) toca um sino quando o sol se põe. Todo mundo tem que estar dentro de casa antes de escurecer, e logo descobrimos o porquê quando uma garotinha atende a voz em sua janela. Do lado de fora está o que parece ser sua avó. Isso é não vovó. Acontece que esta cidade indescritível tem um problema quando o sol se põe. Eles têm talismãs em suas portas para mantê-los seguros e regras rígidas sobre sair de suas casas depois de escurecer por um motivo – eles serão brutalmente assassinados pelas forças sobrenaturais que vivem na floresta. (Leia qualquer parábola de bloqueio da era pandêmica na narrativa à sua vontade.)

Após o prólogo sangrento, a ação real de “From” começa quando uma família em um trailer dirige pela mesma rua que Boyd andou no início. Acontece que estão prestes a ser novos moradores. A família – o patriarca Jim (Eion Bailey), a matriarca Tabitha (Catalina Sandino Moreno) e os filhos Julie (Hannah Cheramy) e Ethan (Simon Webster) – aprendem da maneira mais difícil que quem se perde aqui nunca sai. Eles podem tentar sair, mas eles só vão voltar. E a família Matthews não está sozinha quando outro carro acaba na estrada para a cidade, levando a um acidente e ainda mais caos. E então o sol começa a se pôr.

Grande parte dos primeiros quatro episódios de “From” parece uma construção de mundo de uma forma que também é muito King. Em seus romances, ele sempre tem o cuidado de preencher detalhes sobre personagens coadjuvantes, e fiquei feliz em ver isso acontecer aqui também. Não é apenas a história de uma família perdida ou de um líder de cidade em dificuldades – a escrita do programa muitas vezes entra em outros lares, como a tragédia que acontece com um homem da lei local (Ricky He) ou o conflito moral que surge entre Boyd e o padre Khatri (Shaun Majumder). Há toda uma casa cooperativa de pessoas que vivem juntas em uma colina repleta de personagens coadjuvantes fascinantes, como o filho de Boyd, Ellis (Corteon Moore) ou a misteriosa Fátima (Pegah Ghafoori) ou o fascinante Victor (Scott McCord). Muito parecido com o elenco estendido de “LOST”, este parece ser um programa que entende o conjunto, o que não é frequentemente o caso na TV de gênero, que muitas vezes depende de um POV estrito do protagonista. Cada episódio de “From” parece um pouco mais rico em termos de construção de mundo, e isso não pode ser subestimado.

O diálogo pode ser um pouco fraco, mas isso pode melhorar à medida que “From” termina de definir a mesa necessária nesses episódios de abertura. Tudo o que sei é que estou interessado em ver como esta refeição completa é servida. Tenho a sensação de que será satisfatório de uma forma que todos nós, Stephen King e fãs de “LOST”, vamos lembrar.

Quatro episódios selecionados para revisão.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta