Quando o diretor Walt Becker falou pela primeira vez com você sobre o personagem, o que você conversou sobre as esperanças e sonhos de Tiernan e o que ele queria?

Conversamos muito sobre como sua prioridade era o lucro. Ele era um cara da tecnologia. É por isso que ele copiou o visual de Steve Jobs, camisa preta e jeans. Ele é muito desapegado, manipulador. E o que adorei nisso foi o contraste com essa mensagem que acredito que o filme tem, uma mensagem realmente muito poderosa. Há uma cena que eu acho que exemplifica onde Darby, que interpreta Emily no filme, está segurando Clifford como um cachorrinho e é o amor dela que torna Clifford grande. Sinto-me como neste mundo de hoje, onde há tanta gente quebrantando, crítica e julgamento, e ninguém está cruzando os corredores para ouvir ou celebrar diferenças, celebrar a singularidade e abraçar o seu amor e como é onde o crescimento acontece. E então é um filme infantil, mas com uma mensagem muito adulta e uma mensagem adulta também, jogando o contraste disso destacando, com sorte, a bondade disso.

Não é novo. Tudo foi dito. Mas o que é bonito nas histórias é quando elas são ditas de uma maneira diferente. E algo como “Clifford”, é uma mensagem que todos nós ouvimos, e todos nós sabemos, mas ver isso ativado na vida desse grande cachorro vermelho e a aceitação – acho que isso é realmente poderoso.

Ouvi dizer que você já era fã dos livros de Clifford.

Clifford começou em 1963. Eu nasci em 1970. E então, eu me lembro deles da minha infância, e então, quando minha filha era pequena, eu os li para ela. Eu estava pensando muito sobre isso e havia algo sobre o lugar anormal no meio do normal, e como sempre havia uma aceitação completa desse anormal. E ao ponto em que não era mais anormal. Foi normal. E isso sempre se destacou porque é um cachorro grande e vermelho no meio do que consideramos normal e do dia a dia, e como todos o aceitaram plenamente.

Que conselho você daria para alguém que está interpretando o vilão pela primeira vez? O que é importante para você saber sobre o personagem antes de interpretá-lo?

Eu amo essa pergunta. Eu diria que você não está interpretando uma ideia de personagem. Você não está interpretando uma ideia do bandido. Você tem que ressoar com algo naquele personagem. Eu me lembro de anos atrás, eu estava interpretando um personagem que era muito manipulador e meio idiota. E eu disse, “Oh, eu simplesmente odeio pessoas assim. Eu não gosto de pessoas assim. ” E eu fui para uma treinadora, Diana Castle em LA. E ela diz: “Tony, você tem que perceber que isso está dentro de você”. E ela está certa. Não estou orgulhoso disso. Mas fui manipulador, fui um idiota. Porque no momento em que você se separa disso, você simplesmente vai jogar uma ideia. Mas se você encontrar esse terreno comum, vai revelar a autenticidade dessa pessoa. E, honestamente, acho que é uma maneira de ver a vida. Posso pensar, de repente, em pessoas que não suporto. Mas traços sobre eles, eu tive esses traços em minha vida. E quando você faz isso, você encontra um terreno comum. Você pode ir mais para um nível de compaixão ao invés de julgamento. Essa é uma entrada forte em um personagem maligno.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta