As coisas rapidamente dão errado quando Gru é ridicularizado por ser apenas uma criança durante uma entrevista para se juntar ao Vicious 5, então rouba uma “pedra do zodíaco” sagrada da equipe de supervilões em troca para provar que ele é um vilão tão bom quanto qualquer um deles. Claro, os supervilões não aceitam ser enganados por uma criança de ânimo leve, então Belle Bottom (Taraji P. Henson), o fenomenal Jean Clawed (Jean-Claude Van Damme, naturalmente), Nunchuck (Lucy Lawless interpretando uma freira de verdade com nunchucks), Svengeance (Dolph Lundgren) e Stronghold (Danny Trejo) vêm perseguindo Gru.

O filme está no seu melhor quando se apóia fortemente em suas inspirações de filmes de gênero dos anos 70, particularmente filmes de Blaxploitation e Bruce Lee. Cada personagem é uma caricatura muito burra e hilariamente legal e maior que a vida, como a freira mencionada com nunchucks, ou Michelle Yeoh interpretando uma acupunturista que também atua como mestre de kung-fu.

De fato, os fãs de “Enter the Dragon”, mas também de “Three the Hard Way” ou mesmo de “Dolemite” podem encontrar muito o que gostar em “Minions: Rise of Gru”, ou pelo menos coisas para apontar e rir, como o mero tentativa de Iluminação canalizando Blaxploitation através dos Minions de todas as coisas. Há jaquetas legais, patins, grandes afros, músicas disco e soul, RZA, Taraji P. Henson como um supervilão fodão e ainda mais treinamento e luta de kung fu. Claro, ainda é o mesmo humor vulgar que conhecemos desta franquia, mas é difícil não sorrir e até rir com o filme quando Michelle Yeoh começa a pressionar os Minions a “canalizar sua fera interior”.

Com o kung-fu vem a maioria das cenas de ação que a Illumination já fez em um filme, e o diretor Kyle Balda prova que é capaz de entregar sequências de ação fluidas e dinâmicas com apostas e piadas visuais.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta