Então a primeira coisa que você pega, seja aprendendo a tocar um instrumento ou escrevendo ou pintando ou qualquer outra coisa, a primeira coisa que você faz é começar a copiar o que está ao seu redor. A partir da cópia, você começa a desenvolver sua própria abordagem das coisas e, eventualmente, descobre que tipo de história está em você para contar.

Por que você acha que gravitou em direção ao cinema?

Se você é uma pessoa que gosta de gadgets, certo, ou uma pessoa de equipamentos, e há muitas crianças que são pessoas de equipamentos – eles gostam de brinquedos e coisas mecânicas que você pode manipular com as mãos, coisas com botões e botões – então há um componente tátil ao equipamento, o que é muito agradável para uma criança. Quando você faz um filme, mesmo quando você tem 12 anos e está fazendo filmes em Super 8, você tem câmeras e tem que editar o filme. É como a citação de Orson Welles, onde ele diz: “Um set de filmagem é o maior set de trem do mundo”. Há muita verdade nisso até hoje.

À medida que envelhecia e seguia em frente, continuava tremendamente excitante. Porque o que não te deixa à medida que envelhece é como o cinema abrange tantas disciplinas diferentes e tantas avenidas diferentes de expressão criativa.

Aí está a história; há escrita; há atuação; há o design e há a iluminação, a fotografia e a composição. E depois há música e som. De certa forma, é como a versão moderna da ópera, onde há mais de 120 anos, a ópera foi o que trouxe todas essas disciplinas artísticas sob o mesmo teto para criar uma coisa. O cinema acabou suplantando isso. Certo. E então o que se tornou excitante sobre isso foi que quanto mais eu me dedicava a todo o resto, mais eu via como tudo isso alimentava a tentativa de criar um filme. Nunca é obsoleto.

Crescendo no West Side de Chicago, provavelmente não havia muitos outros fazendo filmes como você. Quem eram os cineastas que você queria modelar depois?

Crescendo nos anos 80, eu era um produto do final dos anos 1960 até meados dos anos 1970 da New Wave americana, principalmente. Porque aqueles filmes apareciam na televisão quando eu era criança: “Apocalypse Now”, “O Poderoso Chefão”, “The French Connection”, “All the President’s Men”, “M*A*S*H”, “Nashville”. Todas essas fotos começaram a aparecer na televisão. E então havia os filmes populares dos anos 80 da época: “Star Wars”, “Indiana Jones”, todos os filmes de Spielberg, os filmes de James Bond. Essa era a coisa pop que eu estava vendo nos filmes, juntamente com todos os filmes mais interessantes, mais sombrios, mais corajosos e mais trágicos que eu estava vendo 10 anos antes.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta