Um motivo recorrente ao longo desta temporada de “Picard” tem sido o destino da mãe do personagem-título, visto periodicamente em flashbacks, e o centro da trama no sétimo episódio “Monstros”. ao longo da série, Picard experimentou flashbacks de sua infância, em que se lembrou de um jogo sombrio de esconde-esconde, em que sua mãe foi trancada em um quarto do porão por seu pai. Em “Monsters”, ficou explícito que a mãe de Picard, Yvette (Madeline Wise), era bipolar e que seu pai Maurice (James Callis) teve que ajudar severamente sua doença mental. As memórias sombrias da infância de Picard são algo que os Trekkies não sabiam sobre o personagem, suponho, mas a introdução de todo esse material tem pouco a ver com o enredo ou os temas (quase existentes) da temporada. Picard tinha sentimentos conflitantes sobre seu pai severo e teria – como aprendemos neste episódio – teria que revelar que sua mãe morreu por suicídio, encontrada pendurada na própria estufa onde ela e o jovem Jean-Luc costumavam olhar para as estrelas.

Isso é certamente trágico e dramático, mas – agravantemente – não revela nada de novo sobre o personagem de Picard. Não fazia nada para explicar quem ele era hoje, seus relacionamentos com os outros, suas decisões de se tornar um oficial da Frota Estelar, nada de significativo. Tudo o que sabemos é que ele teve uma experiência traumática quando criança. Com quase 100 anos de idade, parece que Picard pode ter processado sua dor anteriormente, chegar a um acordo com ela e pode ser capaz de falar sobre isso com mais franqueza. Lembre-se de que Picard serviu a bordo de uma nave estelar onde sempre tinha um psiquiatra profissional sentado à sua esquerda, e que o chamava para seu quarto de prontidão sempre que as coisas pareciam difíceis para ele. “Next Generation” oferecia serviços de saúde mental 24 horas por dia, 7 dias por semana, para quem precisasse deles. A história de trauma que “Picard” tenta comunicar de maneira leviana parece barata, dada a antiga representação da franquia de cuidados de saúde mental.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta