Como foi o caso da estreia da série, “Unbound” é escrito pelos co-showrunners Steven Kane e Kyle Killen e dirigido por Otto Bathurst, dando uma sensação de consistência criativa nos bastidores dessas duas primeiras parcelas. Infelizmente, isso também leva a outro episódio que, quando visto em conjunto com o da semana passada, não pode deixar de compartilhar muitas das mesmas deficiências visíveis.

Uma vez retornado ao enredo atual, aprendemos rapidamente sobre o destino de Master Chief: o Rubble. O assentamento do cinturão de asteróides também é o destino original dos jovens John e Soren. Agora, décadas depois e com Soren (agora interpretado por Bokeem Woodbine) o líder do Rubble, seus caminhos divergentes mais uma vez se cruzaram … mas com seus papéis essencialmente invertidos. Em uma nota positiva, esta reunião pelo menos nos dá a oportunidade de pesar esses dois Spartans muito diferentes um contra o outro e ver um caminho potencial que o Master Chief poderia tomar. Despreocupado (e com ênfase no “gratuitamente” parte), Soren foi capaz de tomar suas próprias decisões, escolher sua própria vida e até mesmo formar uma nova família com sua esposa Laera (Fiona O’Shaughnessy), em comparação com o estritamente seguidor de ordens John, que acabou de fazer sua primeiro passo para recuperar o senso de agência.

No geral, no entanto, esse desvio de enredo parece pouco mais do que girar a roda. O episódio (editado por Dan Briceno) tenta evitar essa estagnação cruzando entre mais brigas interdepartamentais da UNSC e o Covenant, pesando cuidadosamente seus próximos passos diante da perda do objeto misterioso da semana passada (agora chamado de “pedra angular”). Infelizmente, “Unbound” não tira vantagem suficiente da história rica, pungente e cheia de conflitos entre Soren e John para fazer essa trama valer a pena. O rancor real de Soren contra o Chefe parece estranhamente desalinhado, concentrando-se mais na quantidade de tempo que John lhe deu para escapar do que em sua recusa em se juntar a ele em primeiro lugar, mas não ajuda que John ainda permaneça tão emocionalmente distante e reprimido. (embora saibamos que “pellets” estão reprimindo artificialmente qualquer sensação de sensação, até mesmo gosto).

Mais decepcionante, no entanto, a contribuição deste episódio para o enredo em andamento parece insignificante. Recebemos algumas provocações dramáticas e bastante oblíquas sobre o homônimo Halo quando Soren apresenta John e Kwan a Reth, um ex-cativo do Covenant (Johann Myers) enlouquecido, mas para que fim? Em última análise, isso tem o custo de dividir o par que precisa desesperadamente de mais tempo dedicado a ele, enquanto reverte o status quo de volta ao Master Chief sob o controle da UNSC mais uma vez. Embora talvez o olhar persistente de John para o rosto sorridente em sua mão, cortesia do filho de Soren, forneça uma dica de quem ele sabe que são seus verdadeiros amigos.

Estamos em apenas 2 semanas, mas com apenas 9 episódios no total para trabalhar, “Halo” precisa entrar em ação em breve.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta