Este cenário permite que “Archive 81” corte para frente e para trás entre o passado e o presente, e aqui é onde a série vacila. As seções com Dan montando as filmagens são cativantes, o que não é pouca coisa. Essas sequências consistem principalmente em nós assistindo Dan trabalhar, e isso poderia ter saído pela culatra em tédio. Mas há uma emoção na caça; em seguir Dan enquanto ele faz seu trabalho, e o faz bem – apenas para ficar horrorizado com os resultados.

A atuação de Athie é o ingrediente-chave aqui, e o ator apresenta uma atuação intensa, ocasionalmente frenética, enquanto cai na toca do coelho analógico. Athie tem uma voz notável – profunda e cristalina, com uma cadência e ritmo únicos que muitas vezes podem ser bastante hipnóticos.

No entanto, curiosamente, a filmagem em si está faltando. Isso parece paradoxal; se estamos tão empenhados na investigação de Dan, não deveríamos tb estar interessado no que ele está descobrindo? Você pensaria assim, mas “Archive 81” vacila sempre que volta para os anos 90. Há uma estranha atividade de culto acontecendo no Visser, juntamente com algum tipo de molde misterioso que pode ou não deixar as pessoas loucas. Mas Melody é uma protagonista bastante branda, e o desempenho de Shihabi não está ajudando.

Se a voz de Athie é um de seus maiores trunfos, a voz de Shihabi é um empecilho; ela entrega todas as suas falas como se elas terminassem com uma série de pontos de interrogação. Claro, Melody está fazendo muitas perguntas enquanto tenta descobrir o que está acontecendo no Visser. Mas mesmo quando ela não está perguntando sobre nada, suas leituras de linha ainda têm aquela sensação questionável. É uma distração ao ponto que eu me peguei desejando que a maior parte do show tivesse ficado com Dan no presente e deixado o material dos anos 90 mais como um mistério incognoscível.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta