Durante todo o mês de maio, o Gene Siskel Film Center de Chicago homenageará todos os aspectos de seu legado com “Haskell Wexler: Impacto, Influência e Iconografia,” uma retrospectiva de oito filmes de algumas de suas obras mais notáveis ​​(incluindo algumas apresentadas em 35mm) para comemorar seu centenário. Além de ser uma cartilha ideal para o homem e sua obra, a retrospectiva também serve como um mini-festival de algumas das obras mais importantes e inovadoras de sua época.

Wexler nasceu em Chicago em 1922. Depois de passar um ano de faculdade na Universidade da Califórnia em Berkley, ele se ofereceu para se juntar à Marinha Mercante enquanto os EUA se preparavam para entrar na Segunda Guerra Mundial. Após um período trabalhando para a dessegregação de seus colegas fuzileiros navais e recebendo a Estrela de Prata depois que seu navio foi torpedeado por um submarino alemão na costa da África do Sul, Wexler retornou a Chicago e decidiu se tornar um cineasta. Com seu pai, Simon, montou um estúdio em Des Plaines e fez filmes industriais em fábricas locais. O estúdio não durou muito, mas Wexler continuou com suas ambições cinematográficas juntando-se ao International Photographers Guild em 1947 e trabalhando em filmes, programas de televisão e comerciais de TV. (Ele continuou a fazer comerciais ao longo de sua carreira, eventualmente formando uma produtora comercial com o célebre diretor de fotografia Conrad Hall.) Ele também começou a fazer documentários e um deles, The Living City (1953), focado em Chicago, foi indicado para um Oscar de Melhor Curta Documentário.

Em 1958, Wexler fez sua estréia no cinema como diretor de fotografia com “Stakeout on Dope Street”, iniciando uma associação com o promissor cineasta Irving Kershner que os viu se reunirem em “The Hoodlum Priest” (1961) e “Face in the Rain”. ” (1963) e estabelecer um padrão de trabalhar várias vezes com certos diretores. Em 1963, Wexler financiou e filmou “The Bus” (1965), um documentário que seguiu um grupo de Freedom Riders em uma viagem de San Francisco a Washington DC, e conseguiu seu primeiro emprego como diretor de fotografia de um filme de estúdio de grande orçamento, Elia O aclamado drama de Kazan “America, America”. Após o sucesso desse filme, Wexler começou a trabalhar constantemente em Hollywood, filmando o drama político “The Best Man” (1964), a comédia de humor negro “The Loved One” e “Who’s Afraid of Virginia Woolf?” (1966), adaptação extremamente controversa de Mike Nichols da peça de Edward Albee. Embora grande parte do foco original da publicidade em torno do filme se concentrasse na linguagem então chocante do roteiro, Mike Nichols fazendo sua estréia na direção e a presença dos co-estrelas Elizabeth Taylor e Richard Burton, as contribuições de Wexler também foram celebradas. Wexler recebeu um dos cinco eventuais Oscars de Cinematografia do filme – Preto e Branco (o último ano para essa categoria antes dele e a categoria Cor foram fundidos em um).

O próximo projeto de Wexler, de 1967 “No calor da Noite” (8 e 19 de maio), também sua primeira colaboração com o diretor Norman Jewison, foi ainda mais significativa e inovadora. A trama diz respeito a Virgil Tibbs (Sidney Poitier), um investigador de homicídios negro da Filadélfia que se une a Gillespie (Rod Steiger), o chefe de polícia da cidade de Esparta, Mississippi, para resolver o assassinato de um rico industrial local em face de racismo aberto. Ter um homem negro no centro de uma grande produção colorida de Hollywood ainda era uma anomalia naquela época, e os cineastas da época não levavam em consideração que os métodos de iluminação padrão usados ​​​​pela maioria dos diretores de fotografia não favoreciam atores com pele mais escura, muitas vezes causando um brilho que os deixou parecendo um pouco menos distintos do que suas contrapartes brancas. Wexler reconheceu isso e considerou cuidadosamente iluminar suas cenas de maneira a resolver esse problema. Ele permitiu que Poitier se destacasse tão distintamente quanto Steiger e o resto de seus colegas de elenco, uma conquista que não apenas fez Poitier parecer tão bom quanto ele na tela, mas sutilmente reforça a noção de que este era um filme sobre um homem negro. determinado a se destacar e fazer seu trabalho, não importa o que as pessoas ao seu redor possam pensar. Insanamente, as contribuições de Wexler não estavam entre as sete indicações ao Oscar que o filme recebeu – embora ele tenha recebido o prêmio de Melhor Fotografia da Sociedade Nacional de Críticos de Cinema – mas pode-se argumentar que seu trabalho aqui se tornou o mais influente de todos os seus atira pela forma como influenciou as filmagens de atores negros.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta