Para esse público, os principais atores do filme não terão a conotação de “grindhouse”. Eles são Seymour Cassel, ator de personagem robusto e representante de John Cassavetes; Sondra Locke, prestes a se tornar uma parceira na tela longa (e na vida real) de Clint Eastwood; e Colleen Camp, um ator e produtor que interpretou de forma memorável uma malfadada Playboy Playmate em “Apocalypse Now”. Mas o cenário que eles representam é pura exploração. Cassel interpreta George Manning, um burguês complacente da área da baía, que não quer fazer travessuras em um fim de semana em que sua esposa e filhos estão fora de casa. Mas em uma noite escura e tempestuosa, Jackson (Locke) e Donna (Camp) aparecem em sua porta suburbana, encharcados e alegando estar perdidos. Como qualquer mensch, ele quer ajudar, então ele os deixa entrar, dá-lhes o uso do telefone e tenta ajudar as garotas um tanto tontas a se secarem. Permanecendo tontos, eles batem na banheira de hidromassagem de George e o convidam para entrar. Um trio retratado no que parece ser uma série deliberadamente irritante de exposições duplas e triplas se desenrola. E logo as coisas mudam, e Donna e Jackson estão mantendo George refém em sua própria casa.

Se o cenário soa familiar, é porque Eli Roth o adotou para fazer “Knock Knock”, um tratamento mais amplo e cômico do material, em 2015. Ele até recrutou Camp e Locke como produtores executivos. Estrelado por Keanu Reeves, Ana De Armas e Lorenza Izzo, pisca um pouco mais para o público do que a foto de Traynor. O original tem aquela aura vagamente hipócrita que distinguia a farra da época – simultaneamente lúgubre, mas também indignada com as condições que produziam o material lúgubre. E é bastante implacável, especialmente porque Donna e Jackson abusam cada vez mais de George. Sem falar no pobre cara da pizza.

David Szulkin, da Grindhouse Releasing, me disse que vinha defendendo o filme “desde meados dos anos 80, quando Eli e eu fomos para o ensino médio juntos em Newton, Massachusetts” – que também é, por acaso, onde o diretor de “Jogo da Morte” Traynor vem de. Szulkin gentilmente respondeu algumas perguntas para mim sobre as origens do filme, começando por me dizer que “o filme foi um produto das leis de proteção fiscal do início dos anos 70 e foi arquivado por anos; a corrida teatral original consistia em dois drive-ins no interior de NY e um teatro em Fresno.” Pedi a ele para elaborar um pouco sobre isso.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta