Keep Breathing da Netflix não consegue descobrir como equilibrar tudo o que quer dizer | TV/Streaming

0
16

A série também perde o suspense ao sobrepor seu drama selvagem com montagens que revelam verdades sobre a natureza e o lugar dos humanos dentro dela. Mas essas verdades dificilmente são reveladoras – pense em perceber que você precisa ferver água depois de ver um monte de animais fazendo xixi em lagos. É mais bobo do que perspicaz, tornando a forma como o programa revela o processo de pensamento de Liv involuntariamente engraçado.

“Keep Breathing” também se desdobra em um thriller psicológico com flashbacks do passado de Liv, revelando uma longa história de feridas emocionais, tanto dadas quanto recebidas. A principal causa do trauma de Liv parece ser sua mãe maníaca e artística que encanta e negligencia sua filha antes de abandoná-la. Algumas conversas difíceis com seu pai se seguem, deixando Liv sem vontade de se conectar com os outros, talvez principalmente quando eles oferecem uma companhia real.

O conceito central do programa, que para alguns é difícil ‘continuar respirando’, tem algum peso. A combinação de estudo fisiológico e drama de sobrevivência também faz sentido – sem ninguém com quem conversar, é natural dar uma boa olhada em si mesmo. E Liv chega a algumas revelações: que ela não foi culpada pelos atos de sua mãe, mas é responsável pelos seus; que o amor é valioso mesmo quando pode ferir; que seu pai era imperfeito; assim é ela.

Mas “Keep Breathing” faz um desserviço à heroína ao vincular sua busca a uma gravidez não planejada. Sua razão para continuar lutando para sobreviver é por causa de um feto dentro dela. Em momentos particularmente difíceis, ela até pega o ultrassom e fica olhando para ele. É clichê e frustrante. Por que ela não pode querer viver para si mesma? Para homenagear seu pai? Alcançar? Amar a si mesma, seus amigos e talvez seu parceiro também? As mulheres são mais do que úteros, esperando para serem preenchidas por um bebê. Aquela Liv orientada para a carreira seria tão completamente virada – tirando suas primeiras e extremamente malfadadas férias por causa de uma gravidez – parece fácil e irreal. Que ela seja mais complicada do que isso.

De fato, “Keep Breathing” evita a complicação que cria. Melissa Barrera é nascida no México e indiscutivelmente entrou no estrelato dos EUA através de produções latinas como “Vida” e “In the Heights”. Sua Liv também é latina, embora não vejamos muito mais do que o fato de sua identidade. Sim, Liv e seus pais falam espanhol, mas o quão pouco Liv aprendeu o idioma com pais que falam principalmente inglês não está claro. Quando quem fala o quê e quão bem é tão político em nossa comunidade que esse atalho parece uma traição. Para não mencionar, “Keep Breathing” não chega a mergulhar no sentimento de Liv sobre ser uma das poucas latinas em um escritório de advocacia competitivo de Nova York ou como ela foi tratada por sua tropa de escoteiras em grande parte branca. Tudo passa sem exame.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta