O melhor personagem de Myers no projeto é Ken Scarborough, o tipo de doce jornalista local canadense que nunca quebrou uma grande história como ele faz peças sem graça de interesse humano. Ele vai a algo chamado CanConCon (Convenção da Conspiração Canadense) em busca de algo importante, e basicamente tropeça no Pentaverate, em parceria com outro jornalista chamado Reilly (Lydia West) e um louco por conspiração chamado Anthony (Myers), que é alimentado por um Alex. Maluco tipo Jones chamado Rex Smith (você adivinhou, também Myers). A estrela de “Saturday Night Live” também interpreta quatro dos membros do Pentaverate: Lord Lordington, Bruce Baldwin, Mishu Ivanov e, acredite ou não, Shep Gordon (o empresário do rock and roll da vida real que foi o tema do filme de Myers. “Supermensch: A Lenda de Shep Gordon”).

No piloto, The Pentaverate é revelado como uma sociedade antiga que tenta influenciar o mundo há gerações – em uma parte engraçada, Jeremy Irons apresenta cada episódio como ele mesmo, variando os detalhes de fundo a cada vez. Após a morte do membro do Pentaverate Jason Eccleston (sim, Myers), eles recrutam um físico nuclear chamado Dr. Hobart Clark (Keegan-Michael Key), o homem que eles acreditam que pode parar as mudanças climáticas. Fica, bem, caótico a partir daí, e também envolve Debi Mazar, Ken Jeong e Jennifer Saunders em papéis coadjuvantes. Rob Lowe e Maria Menounos se interpretam. Não está brincando.

Myers não está remotamente alterando ou escondendo seu senso de humor em “O Pentaverate” com várias cenas de jogadores poderosos em grandes mesas que lembram o Dr. Evil em seu covil em “Austin Powers” ​​e até mesmo uma referência a “Shrek”. Não é justo chamá-lo de “Mike Myers Greatest Hits”, mas é inegavelmente um produto da história cômica de seu criador. Só por essa razão, os fãs hardcore de seu filme e do trabalho “SNL” podem ignorar os problemas do programa, incluindo o fato de que inegavelmente parece um filme longo dividido em seis capítulos e ninguém realmente quer um filme de 3 horas. Filme de Mike Myers. A comédia é sobre ritmo e tempo, e esses projetos alongados da Netflix geralmente vacilam nesse departamento. Toda vez que “O Pentaverato” parece estar desenvolvendo um ritmo, ele sai pela tangente para preencher o espaço – normalmente um que mostra o fato de que esse programa pode ser classificado como R na Netflix. É como um set de stand-up que tem um bom material cercado por 45 minutos de enchimento. E o filler de Myers é mais agressivo do que o de algum outro comediante, construído com sotaques bobos e jogos de palavras que duram para sempre. A repetição é muitas vezes a piada, que funciona em sucessos rápidos em um filme ou esquete, mas não tanto em três horas inteiras.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta