O filme se passa em um internato para meninos franceses dirigido por um diretor que torna a vida lá tão desagradável para os professores quanto para os meninos. Michael Delasalle (Paul Meurisse) é um sádico e mesquinho que serve peixe podre aos alunos e dá tapas em torno de sua esposa Christina (Vera Clouzot), mesmo que a escola realmente pertença a ela.

Os meninos o odeiam e os professores parecem desprezá-lo, especialmente a robusta Nicole (Simone Signoret), que até recentemente foi sua amante. Quando o filme começa, Nicole segue em frente com um plano que ela já explicou a Christina. É um esquema elaborado no qual eles vão visitar a casa de Nicole em uma vila distante, atrair Michael para lá, afogá-lo em uma banheira e secretamente retornar à escola para jogar os porcos na piscina, onde ele parecerá um suicida ou vítima de acidente.

Este não é o enredo. É apenas a configuração, e o enredo propriamente dito começa depois que o corpo aparentemente desaparece da piscina e o traje de Michael é devolvido da limpeza. As mulheres estão ficando loucas? Eles podem confiar na evidência de seus olhos e ouvidos – ou acreditar em sua memória clara do corpo morto de Michael olhando para eles com os olhos arregalados debaixo da água da banheira? “Por favor, não revele o final para quem ainda não viu o filme!” Clouzot implora com seu quadro final. Eu não sonharia com isso. Mas vou observar que o final não teria acontecido exatamente do jeito que acontece sem a cooperação passiva do inspetor Fichet (Charles Vanel), que aparentemente descobriu tudo e está bem posicionado para impedir o resultado final, mas espera demais.

Claro que ele não é exatamente rápido em seus pés. Ele entra em cena com uma velha capa de chuva amarrotada, mastigando um charuto e fazendo perguntas aparentemente sem objetivo. Sua técnica favorita é repetir uma pergunta, fingindo que não ouviu a resposta, embora esteja bem claro que o que ele espera fazer é prender um suspeito em uma contradição. Em aparência, maneirismo e estratégia, Fichet é Columbo; Falk acrescentou um estrabismo, uma capa de chuva mais suja e mais humor.

A famosa trama do filme costuma enganar os espectadores de primeira viagem, pelo menos até certo ponto. As revelações finais são um tanto decepcionantes, mas Clouzot não se deteve nelas. Os elementos mais perturbadores do filme estão implícitos, não vistos, no ar decadente dos professores, todos os quais já viram dias melhores e pelo menos um dos quais provavelmente deveria estar na cadeia.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta