Revisão de “MONSTER” por Roger Ebert

publicado originalmente em 1º de janeiro de 2004

O que Charlize Theron alcança em “Monster” de Patty Jenkins não é uma performance, mas uma encarnação. Com coragem, arte e caridade, ela simpatiza com Aileen Wuornos, uma mulher danificada que cometeu sete assassinatos. Ela não desculpa os assassinatos. Ela simplesmente pede que testemunhemos a tentativa desesperada final da mulher de ser uma pessoa melhor do que seu destino pretendia.

Wuornos recebeu muita publicidade durante sua prisão, julgamento, condenação e execução em 2002 pelos assassinatos de sete homens na Flórida que a pegaram como prostituta (embora um quisesse ajudá-la, não usá-la). As manchetes, fiéis como sempre à nossa compulsão de tratar tudo como um evento esportivo ou uma entrada para o Guinness Book, a chamavam de “a primeira assassina em série da América”. Sua imagem nos noticiários e nos documentários apresentava uma mulher grande e abatida que parecia ser monstruosa. A evidência contra ela foi dada por Selby Wall (Christina Ricci), uma jovem de 18 anos que se tornou a amante lésbica ingênua da mulher mais velha e inspirou o sonho de Aileen de ganhar dinheiro suficiente para colocá-los em um estilo de vida “normal”. Roubar seus clientes levava ao assassinato, e cada novo assassinato parecia necessário para cobrir os rastros do anterior.

Confesso que entrei na exibição sem saber quem era a estrela, e que não reconheci Charlize Theron até ler o nome dela nos créditos finais. Não muitos outros terão essa surpresa; ela acaba de ser homenageada como melhor atriz do ano pela Sociedade Nacional de Críticos de Cinema. Eu não a reconheci – mas, mais precisamente, eu mal tentei, porque a performance é tão focada e intensa que se torna um fato da vida. Observe a maneira como Theron controla seus olhos no filme; não há um lampejo de desatenção, pois ela comunica com urgência o que está sentindo e pensando. Há a estranha sensação de que Theron esqueceu a câmera e o roteiro e está canalizando diretamente suas ideias sobre Aileen Wuornos. Ela se fez instrumento desse personagem.

Já aprendi mais do que gostaria sobre as técnicas de disfarce usadas pela maquiadora Toni G. para transformar uma atraente jovem de 28 anos em uma desajeitada prostituta de rua, enfiando a ponta do cigarro nas sombras antes de dar um passo à frente para conversar com um homem sem rosto que a encontrou nas sombras de uma estrada árida da Flórida. Assistindo ao filme, eu não tinha noção da técnica de maquiagem; Eu estava simplesmente assistindo a uma das pessoas mais reais que eu já tinha visto na tela. Jenkins, o roteirista-diretor, fez o melhor filme do ano. Filmes como esse são perfeitos quando são feitos, antes de serem triturados pela análise. Há um certo tom nas vozes de alguns críticos que eu detesto – essa maneira superior de explicar a técnica para destruí-la. Eles implicam que, porque podem explicar como Theron fez isso, ela não fez isso. Mas ela faz isso.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta