Dean Stockwell, que morreu aos 85 anos, não se ofendeu. Ele sabia que muitas pessoas se sentiam assim. “Eu pensei que você estava morto” é um indicativo de quão longe do mercado Stockwell estava na década de 1970 e início de 1980. Era uma vez, ele foi classificado como o ator infantil número 1 na América. Ele não era apenas um garoto bonito desempenhando pequenos papéis em uma ou duas cenas. Como Elizabeth Taylor – uma de suas colegas de classe na “pequena escola vermelha” no lote da MGM – Dean Stockwell era uma estrela, com papéis em filmes como “Anchors Aweigh” (seu segundo filme), “Gentleman’s Agreement” (onde ele e John Garfield saiu com o filme), “The Boy with Green Hair” (um filme anti-guerra com um pôster memorável), “The Secret Garden” (onde sua cena de birra com Margaret O’Brien vale o preço do ingresso ), e “Kim” (onde ele foi de igual para igual com Errol Flynn). Ele também interpretou o filho de Nick e Nora Charles em “Song of the Thin Man” e teve a grande honra de ser espancado por William Powell. David Lynch, que se lembrava daquela criança linda, olhou para o homem de 40 e poucos anos que se aproximou dele no México, tentando juntar as peças. Por que Dean Stockwell ainda não estava no cinema? Por que os diretores não o escolheram a torto e a direito? Onde ele esteve todo esse tempo?

É uma longa história. A vida de Stockwell apresentou múltiplos “desaparecimentos”, alguns dos quais involuntários, mas alguns dos quais foram escolhas conscientes. Ele nasceu na Califórnia em 1936, filho de pais artísticos, performers, mas não realmente “no ramo”. Sua mãe, Nina Olivette, fez carreira no vaudeville antes de se estabelecer para ter filhos. Seu pai, Harry Stockwell, era um cantor que fazia teatro musical (ele também era a voz do Príncipe em “Branca de Neve e os Sete Anões”). Um olheiro da MGM viu a criança Stockwell em uma peça e organizou um teste de tela. Stockwell assinou um contrato de sete anos. Seu segundo filme foi “Âncoras Pesadas”, onde, ao lado de Gene Kelly e Frank Sinatra, ele brilhou com fofura e inocência, totalmente desprovido da irritante precocidade super treinada da maioria dos atores infantis da época. Dean Stockwell parecia real.

Quando ele tinha dez anos, ele estava sustentando sua família inteira. Ele viu seu contrato como uma sentença de prisão. Ele odiava atuar. Quando seu contrato acabou, Stockwell foi embora. Ele tinha 16 anos. Não teve uma infância ou uma adolescência adequada. Ele queria recuperar o tempo perdido. Este foi o primeiro “desaparecimento”.

Em meados dos anos 50, ele estava pronto para retornar, e o momento de Stockwell coincidiu com a morte repentina de James Dean, quando a indústria procurou desesperadamente pelo próximo ícone rebelde sensível. Stockwell era um candidato, e ele foi oferecido o papel em um potencial “filme biográfico” de James Dean (que ele recusou, sentindo, corretamente, que seria um projeto perde-perde). A essa altura, Stockwell havia se transformado em um belo jovem, com a coloração dramática de Montgomery Clift, pele pálida e cabelo preto e espesso. Devido ao sucesso posterior de Stockwell no mainstream, esse período – de 1957 a 1962 – é freqüentemente esquecido e é uma das fases mais interessantes de sua carreira.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta