“Hard Eight” foi uma vitrine impressionante para todos no elenco, desde os co-líderes Hall e John C. Reilly, que estava prestes a atingir os grandes momentos como Hall depois de alguns anos nas trincheiras tocando ajudantes e textura silenciosa, até jogadores coadjuvantes Gwyneth Paltrow, Samuel L. Jackson e Philip Seymour Hoffman. Hall, Hoffman e Reilly apareceriam nos próximos dois filmes de Anderson “Boogie Nights” e “Magnolia” enquanto suas estrelas subiam ao lado dos peculiares estudos de personagens inspirados em Altman de Anderson. Hall, Reilly e Hoffman eram como âncoras que mantinham as narrativas extensas direcionadas para o local, para a humanidade. Em “Hard Eight”, a intenção de Hall permanece um mistério até o ato final, e seu duro profissionalismo mascara sua natureza angelical. Uma cena em que Paltrow imagina que está prestes a coagi-la por sexo é genuinamente cheia de suspense, porque não sabemos se seu personagem Sidney é quem ele tenta se fazer passar. Sua interioridade comovente e cuidado avuncular (seu quase ruína) para o grande e estúpido hustler de Reilly é como as notas baixas baixas que permitem que as performances mais extravagantes tomem solos. Hall não solo como alguns atores. Ele era a música inteira.

Em “Boogie Nights” Hall tem pouco tempo de tela, mas ele é espetacular como o produtor pornô Floyd Gondolli. Ele é ainda mais comovente em “Magnolia” como um apresentador de game show desonesto que está enlouquecendo, sofrendo de um ataque de Alzheimer como transtorno de anos de vida difícil. Sua filha diz que ele a molestou, mas ele não se lembra de ter feito isso. Anderson se especializou em personagens quebrados e em Hall ele tinha um cara que podia projetar o quebrantamento com a gagueira que ele aperfeiçoou interpretando seu Nixon bêbado apoplético, ou com a simplicidade de uma sílaba, sua voz como o uísque que ele bate em “Secret Honor”, ​​velho e sombrio e de prateleira intermediária, um homem que deveria ter se tornado mais, um homem que projeta o ar de um rei, mas não tem um reino para chamar de lar.

Como seu trabalho com Anderson o colocou na frente do público, as ligações começaram e nunca pararam. Ele interpretou funcionários frequentemente não creditados lindamente, seja como Chefe de Justiça em “The Rock”, o Procurador-Geral em “Air Force One”, um capitão de polícia em “Rush Hour”, um fixer em “The Talented Mr. Ripley”, uma caligrafia especialista em “Zodiac”, o diretor da CIA em “Argo” ou um xerife em “Psycho” de Gus van Sant. Ocasionalmente, ele realmente roubava o show, como quando interpreta o covarde Don Hewitt, que vende Lowell Bergman de Al Pacino para os superiores da CBS e Big Tobacco no impressionante “The Insider”, de Michael Mann, ou como o pai mudo de Paul Bettany em “Dogville”. Ele também apareceria na estranha comédia, fazendo um trabalho fantasticamente louco em um episódio de “Children’s Hospital”, fazendo uma voz em “Bojack Horseman” e assumindo um papel pequeno, mas amado em “Modern Family”. Ele estava chateado que eles mataram seu personagem no último, assim como ele estava encontrando seu ritmo como o personagem Walt Kleezak. Ele tinha 80 anos quando conseguiu o papel. Ele estava finalmente começando a mostrar sinais de sua idade. Em pequenas partes de “Bad Words” de Jason Bateman e “The Last Word” de Mark Pellington, sua voz era mais lenta e difícil de entender. Sua antiga ferocidade havia se acalmado, embora ele ainda fosse cativante, sua expressão de enforcado ainda era uma das visões mais bem-vindas do cinema americano, sua voz profunda e sonora ainda projetando a autoridade que havia iniciado sua carreira de ator em Toledo.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta