“O Artista” também seria o primeiro vencedor de Melhor Filme desde “From Here to Eternity” de 1953 a ser filmado na proporção de 4: 3. Também foi o primeiro título principalmente em preto e branco a ganhar o prêmio principal desde a “Lista de Schindler” de 1993, que apresentava sequências de cores, incluindo uma jovem que usava um casaco vermelho. Enquanto isso, “The Apartment”, de 1960, foi o último filme 100% preto e branco a vencer.

Agora, uma década depois de “O Artista” ter feito um respingo nostálgico, a fotografia em preto e branco está na moda mais uma vez. Sinais de um renascimento começaram com “Roma”, de 2018, escrita e dirigida por Alfonso Cuarón. Baseando a história em sua infância na Cidade do México, o cineasta também cuidou das funções cinematográficas. Receberia 10 indicações ao Oscar e se tornou o primeiro filme mexicano a ganhar o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. “Roma” também marcou a primeira vez que um diretor ganhou o prêmio de melhor fotografia por seu próprio filme.

O diretor polonês Pawel Pawlikowski também recebeu um aceno de Melhor Filme em Língua Estrangeira daquele ano, “Guerra Fria”, que já ganhou o prêmio por seu drama em preto e branco de 2013, “Ida”. Em seguida, houve o lançamento de 2020 de David Fincher, “Mank”, sobre a produção do clássico de 1941 de Orson Welles, “Citizen Kane”. Esse filme da Netflix ganhou 10 indicações ao Oscar e por seu design de produção e cinematografia.

A fotografia em preto e branco tem sido celebrada ao longo da atual temporada de prêmios, incluindo a ode ao jornalismo de Wes Anderson, “The French Dispatch”, que apresenta certas sequências sem cor. Enquanto isso, o próximo “Being the Ricardos”, escrito e dirigido por Aaron Sorkin e estrelado por Nicole Kidman e Javier Bardem como Lucille Ball e Desi Arnaz, ocorre durante uma semana difícil de filmagens do clássico sitcom “I Love Lucy”, que foi ao ar no TV em preto e branco.

Embora a maioria desses títulos se passem no passado, o diretor Mike Mills (“Iniciantes”) optou por usar uma estética em preto e branco para seu “Vamos lá”. É estrelado por Joaquin Phoenix como um jornalista de rádio que decide pegar a estrada para entrevistar uma série de jovens sobre o estado do mundo e seu futuro. Seu tema chega em casa, no entanto, quando ele é forçado a trazer seu jovem sobrinho precoce para um passeio.

Vários outros candidatos a prêmios visando um visual monocromático. Mas no topo da lista estaria o festival de cinema favorito “Belfast”, que estréia nos cinemas nesta sexta-feira. O cineasta Kenneth Branagh apresenta uma recriação melancólica de sua infância que foi abalada pela violência explosiva causada pelos “Problemas” em sua cidade natal em 1969. Ele encerra seu filme com fotografia colorida no início e no final de seu filme, enquanto entre ele compartilha o ponto de vista de seu protagonista de nove anos de idade, Buddy (interpretado pelo recém-chegado Jude Hill), sendo fascinado por filmes coloridos chamativos como “One Million Years BC” e “Chitty Chitty Bang Bang” enquanto absorve faroestes como “High Noon ”e“ The Man Who Shot Liberty Valance ”na TV.

Fonte: www.rogerebert.com

Deixe uma resposta