Os personagens de “Ozark” estão em guerra com seu mundo, presos entre a dura realidade e fantasias brilhantes. De alguma forma, apesar de tudo o que eles suportaram – apesar da natureza sombria desse show tingido de azul e do sangue manchando as mãos de todos – eles não podem deixar de ter esperança. Não estamos falando apenas de Marty e Wendy, é todo o mundo. Acredite ou não, a primeira fantasia rebuscada do futuro vem de Omar Navarro (Felix Solis), o chefão das drogas que paira sobre suas vidas por quatro temporadas. Agora, mais do que nunca, ele exige ser a Estrela do Norte: “Você não ganha até que eu ganhe, Marty”, diz ele ameaçadoramente. “Não se esqueça disso.”

Então aqui está o grande sonho de Navarro: ele quer sair limpo. Não importa os muitos anos passados ​​no comando do segundo maior cartel de drogas do mundo, não importa as pessoas torturadas e mortas, nem os danos causados ​​a ambos os países. Navarro quer a liberdade de circular entre o México e os EUA sem ser caçado. É como um serial killer anunciando planos para se tornar um dono de casa suburbano – é quase risível. Mas aí você se lembra de tudo de que Navarro é capaz e a realidade fica clara: este não é um homem que aceita um não como resposta, certamente não dos lacaios que ele pode matar por capricho. Então os Byrdes devem alcançar o impossível, o que mais há de novo? Para adicionar um pouco de motivação extra, Navarro coloca um novo sonho diante de seus olhos – se eles realizarem essa tarefa impossível, ele os deixará ir. “Faça isso e você está livre de sua obrigação comigo”, ele promete.

Mas nenhum final é alcançado por acaso. “Ozark” é sobre efeitos dominó – em um piscar de olhos, pequenas decisões se transformam em caos absoluto. Quando eles ancoraram suas vidas perigosas no Ozarks, os Byrdes colocaram a tragédia em movimento e agora, anos depois, eles fantasiam em ir embora?! A temporada final remonta ao passado sempre que possível, confirmando a insanidade dessa fantasia: não há como sair limpo e não há saída fácil. Não para qualquer um, mas certamente não para os Byrdes. “Ozark” não está tão interessado em suas fantasias, mas no que elas revelam de cada personagem: o que significa que a visão de futuro de Wendy depende tanto do poder quanto da família? O que ela vai arriscar para protegê-lo? E quanto a Ruth (Julia Garner)? A jovem criminosa recentemente cortou laços com os Byrdes em favor de seu primo Wyatt (Charlie Tahan) e seu namorado, Darlene Snell (Lisa Emery). Agora ela quer construir algo próprio – mas o que ela deve sacrificar para fazer isso?

Como sempre, “Ozark” cria dilemas impossíveis para seus personagens (libertar um traficante de drogas é apenas o começo). Para piorar as coisas, eles jogam alguns curingas. Tomemos, por exemplo, a agente do FBI Maya Miller (Jessica Frances Dukes). Quando ela foi apresentada na 3ª temporada, eu me perguntei se eles a engravidavam apenas para deixar o público ansioso. Nesta temporada, seu novo bebê continua sendo motivo de preocupação, especialmente para dela. Negociar um acordo para Navarro não será tão fácil quanto ele gostaria, e o que impede o criminoso temperamental de prejudicá-la? Mas o chefão é amigável quando comparado ao novo Big Bad da temporada, Alfonso Herrera como Javi, sobrinho ambicioso de Navarro. Rápido para os riscos e muitas vezes agindo por impulso, Javi tem um interesse especial pelos Byrdes. Jogado em uma sala com Marty, as personalidades opostas são quase hilárias – se não estivéssemos tão ocupados prendendo a respiração com medo de cada reação dele.

Fonte: www.slashfilm.com

Deixe uma resposta